segunda-feira, 28 de junho de 2010

O VALOR DA ENCARNAÇÃO E SOFRIMENTO DE CRISTO

Hebreus 2:10-18
Uma das dificuldades que os judeus tinham era aceitar que Jesus era superior aos anjos. Eles não conseguiam entender como alguém que sofreu e morreu, poderia ser superior aos anjos. Para o judeu era impensável um Messias sofredor.
No salmo 8 o messias é colocado claramente acima dos anjos, sendo, inclusive, Senhor deles. Este fato comprova a grandiosidade de Jesus.
Jesus encarnou e sofreu:

1) Para ser nosso salvador (v. 10)
Jesus tinha que experimentar tudo que experimentamos para que pudesse nos trazer uma vitória completa.
No AT os sacrifícios tinham que ser com animais sem mancha, macho, primogênito. Este aspecto simbólico aponta todo para Jesus. Mas acima de tudo era necessário que alguém da linhagem de Adão e de Abraão fosse para o sacrifício. Isto que chamamos de morte vicária. Jesus é o único e verdadeiro vigário. A expressão significa que Jesus é nosso substituto diante de Deus. O fato é que ninguém pode ser vigário de Deus, pois Jesus já fez este papel. Por outro lado, ninguém pode ser vigário de Cristo, pois estaríamos com isto dizendo que o sacrifício de Jesus foi insuficiente.
“Porque, assim, o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos” (Hb 2:11)
A citação acima demonstra que Jesus foi homem como qualquer outro. Ele é o que santifica, tendo como origem o mesmo homem (Adão).

2) Para que Satanás sofresse sua derrota definitiva(v. 14)
Somos retirados da escravidão do pecado que nos é imposta por Satanás. O poder da morte do Diabo consiste no fato de que ele enganou Eva. Hoje ele ainda continua enganando muitos.
Lúcifer é o anjo caído que derrubou consigo um terço dos anjos. Ele era o querubim ungido de Deus. Satanás caiu por causa de sua ambição veja os passos de sua queda em Isaias 14:13 e 14:

a) Subirei aos céus (v. 13) - ele tenta tomar o lugar reservado para Cristo;

b) Exaltarei meu trono (v. 13);

c) Sentarei no monte da congregação (v. 13) – Satanás queria reinar sobre o povo de Deus;

d) Subirei acima das mais altas nuvens (v. 14) – Ele queria a glória que pertencia somente a Deus;

e) Serei semelhante ao Altíssimo (v. 14) – A inveja de Satanás faz com que ele quisesse algo que era somente de Jesus.

A derrota de Satanás será que ele não irá derrubar a humanidade. Sempre algum remanescente existirá transformado pelo sangue de Jesus, lutando contra o pecado.

3) Para nos tirar o medo da morte e a servidão do pecado (v. 15)
Satanás é capaz de matar o corpo, mas não é capaz de matar a alma. Este fato deve nos dar tranqüilidade, pois o medo da morte nos faz ficar longe de Deus, mas este, através do sacrifício de Deus, se aproxima de nós para nos tirar o medo da morte. Mais do que isto, Jesus se aproxima da humanidade e por ela se sacrifica para que esta pudesse estar livre da servidão do pecado.
Em meu trabalho secular o que mais vejo são pessoas escravas do pecado. Muitas vezes pergunto a um criminoso por que ele comete tal crime. Normalmente a resposta é: “Eu não sei!”. Esta resposta é a típica demonstração de quão escravo do pecado é o homem.

4) Para se tornar a propiciação pelo nosso pecado (v. 18)
Jesus recebeu a ira que estava destinada a nós. Ele aplacou a ira de Deus satisfazendo a sua santidade e sua justiça.
Em Êxodo 32 vemos a passagem do bezerro de ouro. Nesta passagem após Moisés descer do monte e deparar com o povo pecando diante do Senhor ele sentiu a ira do Senhor contra aquele pecado. Moisés intercedeu pelo povo e no verso 32 ele avisa o povo que iria fazer propiciação pelo grande pecado cometido.
A ira de Deus está sobre todos que vivem na desobediência. Se você não se arrepende seus pecados a ira de Deus está sobre você. Pior do que ser morto pelo poder do Diabo é ser condenado pela ira de Deus.
Ao propiciar nosso pecado Jesus se tornou também nossa expiação. Este fato consiste na morte de um inocente em lugar do pecador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário