segunda-feira, 27 de setembro de 2010

BUSCANDO A VERDADEIRA FIRMEZA NA FÉ

Hebreus 10:19-25

Entramos agora no maior parágrafo do livro de Hebreus. Vamos dividi-lo em duas partes para que possamos compreender bem a sua mensagem. Na primeira veremos como buscar a firmeza para a fé verdadeira. E na segunda veremos as consequências de um cristianismo nominal.
O autor vai trabalhar em uma tríade que o apóstolo Paulo delineou muito em suas epístolas: fé, esperança e amor (Hb 10:2-24).
"Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor. "
(I Co 13:13)

"...recordando-nos, diante do nosso Deus e Pai, da operosidade da vossa fé, da abnegação do vosso amor e da firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo..."
(I Ts 1:3)
Nós, porém, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestindo-nos da couraça da fé e do amor e tomando como capacete a esperança da salvação;(I Ts 5:8)

Esta tríade vai ser tratada até o final da carta de uma forma teórica e prática ao mesmo tempo.
Após delinear com muita propriedade acerca do rito da cruz o autor passa a mostrar o grande valor da fé. É o primeiro assunto desta tríade. Este parágrafo é uma introdução ao grande capítulo da fé que o sucede.

1.               A verdadeira firmeza da fé é vivida de forma ousada (v. 19)

Na Antiga Aliança o Sumo Sacerdote entrava uma vez ao ano para sacrificar por ele e pelo povo no local chamado Santos dos Santos. Hoje, através de Cristo, temos livre acesso.
O autor afirma que devemos ter intrepidez para entrarmos no Santo dos santos. Esta ousadia compreende:
A)      Aceitar o sacrifício de Cristo – o sangue
B)      Aceitar o novo e vivo caminho proposto por Deus.
Hoje vemos muitos vivendo um cristianismo sem ousadia verdadeira. Fala-se de ousadia somente no que tange curas e libertações, mas poucos têm tido coragem de enfrentar o pecado neste mundo.
É interessante notar que esta intrepidez é a base de tudo que vem a seguir na argumentação do autor.
Quando o véu do templo se partiu de alto a baixo (Mt 27:51-53), Jesus estava abrindo um novo caminho. Um caminho nunca antes conhecido. Um caminho vivo pela morte de Cristo.

2.               A verdadeira firmeza da fé brota do fundo do nosso coração (v. 22)

Através de um coração sincero recebemos de Deus um coração purificado e um corpo limpo do pecado.
Ninguém pode dizer que é um Cristão se não desejar do fundo de seu coração receber a Jesus e permitir que ele mude a sua vida.
O grande X da questão está na confiança viva que temos em Cristo e em seu sacrifício. Nossa confiança precisa ser tal que não nos deixamos vencer por qualquer coisa ou tentação que possa nos ocorrer.

3.               A verdadeira firmeza da fé confia na fidelidade de Deus (v. 23)

Muitos são cristãos somente por receberem provas de Deus. Jesus disse a Tomé: “Tu viste e creste, bem-aventurado aquele que não viu, contudo crê”. Nossa fé não pode ser baseada naquilo que se vê antes nossa fé deve se basear unicamente na fidelidade de Deus. Deus é fiel.
A fidelidade de Deus é a grande garantia de nossa salvação. Somos salvos porque ele é fiel, e não nós.
Conheço muitas pessoas que abandonaram o caminho por afirmarem que Deus não foi fiel por não ter livrado um ente querido da morte e ou por não evitar uma tragédia. A Bíblia é clara em afirmar que a chuva cai sobre todos e que devemos estar preparados para estes momentos na confiança de que Deus está conosco. Os dois salmos mais famosos da Bíblia têm dois momentos que mostram a fidelidade e o cuidado de Deus.
Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. (Sl 23:4)
Ele me invocará, e eu lhe responderei; na sua angústia eu estarei com ele, livrá-lo-ei e o glorificarei. 
(Sl 91:15)

É uma pena que muitos sabem estes salmos de cor, mas não conseguem confiar na hora da angustia

4.               A verdadeira firmeza da fé existe quando buscamos a comunhão com outros irmãos (v. 24)

A expressão “consideremos” que o autor usa denota alguém que tem uma atenção especial pelos outros. Você tem procurado mostrar uma atenção especial por alguém nesta igreja? Você tem procurado amar e estimular o amor? Você tem participado da vida daqueles que são mais necessitados?
Muitos estão na igreja somente para receber e não querem dar nada. Querem as bênçãos, mas não querem compartilhar as bênçãos.

5.               A verdadeira firmeza da fé é demonstrada através do ajuntamento e da admoestação coletiva (v. 25)

O autor volta a abordar o assunto do ajuntamento. Quando falou do tabernáculo ele deixou isto implícito indiretamente. Agora ele fala de uma forma direta. Não há cristianismo sem reunião no templo ou santuário.
Ele usa o substantivo “congregação”. Isto significa que não é apenas um ato de se congregar, mas um lugar onde se congregar.
É notório o apelo escatológico. “Tanto quanto vedes que vai chegando aquele dia”. O grupo Logos cantou alguns anos atrás uma música que retrata bem esta ideia escatológica, principalmente em sua última estrofe, chamava-se “Autor da minha fé”.
Como você pode dizer que vai se reunir naquele dia se hoje você não consegue olhar para o seu irmão? Como você poderá estar na congregação celestial, se hoje você não consegue se reunir na congregação terreal?

Nenhum comentário:

Postar um comentário