segunda-feira, 22 de novembro de 2010

CONSELHOS PRÁTICOS PARA A VIDA CRISTÃ

 Hebreus 13:1-7
O escritor faz, assim como Paulo costuma fazer em suas cartas, conselhos práticos para a vida cristã. Mas o autor aos Hebreus tem uma visão voltada para dentro da Igreja e não para fora como Paulo. Não são visão antagônicas, mas são visões que se completam. O crente deve ser crente dentro e fora da igreja. Paulo trabalha com a ideia de que não adianta você ser firme na igreja se não tiver uma vida diante da sociedade digna. O autor aos hebreus trabalha com o suposto de que não vale apena ser comportado dentro da sociedade e não viver de forma piedosa. Guthrie lembra que as ações aqui envolvidas abraçam três áreas: Social, matrimonial  e  religiosa.


1.               Permaneça o amor fraternal (v.1)
Paulo a expressão "Philadelphia". Ela carrega a ideia do amor entre pessoas de uma sociedade. Compreende o respeito mútuo que devemos ter uns para com os outros. A expressão ainda sugere que não devem ser levadas em consideração raça, cor, sexo ou qualquer outra diferença de ordem étnica ou social. Somos todos iguais e devemos nos tratar com urbanidade e respeito.

2.               Exerça a hospitalidade (v. 2)
Um dos grandes problemas na época eram as longas jornadas em viagens que as pessoas empregavam. De um modo geral as hospedarias eram infames e cheias de orgias. Era necessário que na igreja local os irmãos tivessem sempre dispostos a ajudar outros que viajavam pelas vias romanas. Os cristãos como forma de tratamento e cuidado. E os não cristãos como forma de testemunho e evangelização.
Hoje precisamos saber receber bem as pessoas. Não podemos viver no mundo ensimesmados, indiferentes a tudo que nos cerca. A hospitalidade hoje pode ser medida pela forma como nos tratamos. Através de uma simpatia que deve ser inerente ao cristão genuíno.

3.               Lembrem-se dos que sofrem pela fé (v. 3)
Este conselho leva em consideração que naquela época muitos estavam encarcerados por causa de sua fé. Vivemos dias onde muitos cristãos sofrem pela sua fé em muitos países pelo mundo. Devemos nos lembrar de orar por eles. O portal Portas Abertas tem uma classificação dos países que mais perseguem cristãos. Não fique alheio aos que sofrem. Você hoje tem liberdade de ir e vir. Você falar de Jesus, mas muitos não têm esse direito. Ainda existem hoje, muitos cristãos que sofrem por causa de sua fé. Lembre-se de que nos últimos dias todos sofreremos. O autor pede um sentimento altruísta. Ou seja, como se o sofrimento fosse nosso.

4.               Honrem o matrimônio (v. 4)
O escritor sacro faz uma mudança radical nos seus conselhos. Ele agora entra no reduto do lar cristão. Era uma época onde eram comuns as traições, tanto de homens, como de mulheres. Os primeiros que saiam em longas viagens e não suportavam a falta de sexo e se prostituíam. Elas da mesma forma buscavam saciar suas carências afetivas pela ausência do companheiro. Eram manchas nos leitos que deveriam ser santos.
O adultério não pode ser considerado comum. Mesmo sendo uma época machista como a do século I, Deus não aceitava e não aceita este tipo de comportamento. O cristão não pode achar normal estas coisas. Somos diferentes. E acima de tudo somos transformados por Deus que julga todo pecado.

5.               Confie na providência de Deus (v. 5, 6)
A avareza compreende um amor descontrolado pelo dinheiro ou por acumular riquezas. A expressão usada pelo escritor denota que não podemos ter este sentimento. O cristão não deve colocar o trabalho acima de todas as coisas. É interessante notar que este conselho segue aquele para evitar o adultério. Muitos comerciantes, com a desculpa de ter que sustentar a família, passavam meses longe de casa para ajuntar dinheiro. Não deixa de ser uma forma de avareza. Ninguém deve viver para trabalhar, antes devemos trabalhar para viver. O sábio Salomão nos ensina que há tempo para todas as coisas debaixo do sol (Ec 3). Mas a pior consequência dos que se comportam desta forma é que mostram falta de confiança em Deus. Jesus nos ensina que devemos olhar para os lírios dos campos e para os pássaros. O viver destes demonstra que confiavam na providência do criador.

6.               Ore e imite o seu guia espiritual (v. 7)
Esta parte é a mais difícil para eu falar. Não sei se tenho vida suficiente para ser imitado ou seguido. Mas de qualquer forma não é um pedido ou um favor que o autor está fazendo, é uma determinação. Claro que devemos seguir nossos guias desde que tenhamos certeza que ele segue a Jesus. Paulo pede para os coríntios serem seus imitadores como ele era de Cristo.
O texto originalmente refere-se aos lideres que já morreram  e pregaram realmente a Palavra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário