segunda-feira, 8 de novembro de 2010

DECISÕES CONTRA O FRACASSO ESPIRITUAL

Hebreus 12:12-17
Após falar sobre a disciplina o autor mostra que alguns não aceitam bem este lado de nosso Deus. Muitos desanimam no meio do caminho por causa de seus sofrimentos. Outros não conseguem conceber a ideia da dor por causa da disciplina e da educação espiritual. O autor nos mostra que para que o desanimo não ocorra são necessárias algumas decisões:


1.               Decida por se levantar (v. 12)
A expressão “Portanto” ou “Por isso” revela que devemos suportar a disciplina de Deus e saber que ela é sempre proveitosa. Não podemos deixar com que a fadiga da nossa luta nos mantenha agachados. Decida por se levantar mostrando o Deus que você crê.
O texto é a transcrição do que diz Isaias 35:3. Lá o profeta está alertando contra o pecado do povo de Deus, sobre o castigo que virá e sobre o conforto que vem daqueles que confiam nele.
O autor está falando como um treinador que durante o exercício vê seus subordinados reclamando e com vontade de desistir. É o apelo para ir mais um pouco para que possa adquirir força e vigor.
Esta é uma resolução importante para o verdadeiro cristão. O autor de Apocalipse afirma que aquele que persevera até fim receberá a coroa da vida (). Ao decidir se levantar o cristão dá testemunho de vida e mostra que tem certeza da presença de cristo em sua vida. 

2.               Decida caminhar com retidão (v. 13, 14)
Após levantar, o cristão precisa caminhar com retidão. Este caminho deve ser feito mesmo a custa de muito sacrifício, pois o maior de todos já foi feito na cruz. Ao tomar essa decisão o cristão está auxiliando aquele que ainda manca. Muitos continuam mancos em seu cristianismo e não tomam uma verdadeira decisão porque o testemunho daqueles que estão de pé ainda não os convenceu.  
Muitos desistem de caminhar com retidão por causa do cansaço. O cansaço faz com que o atleta cambaleie, mas o cristão, mesmo cansado deve decidir pela retidão. Mesmo cansado de ser chamado de bobo, deve continuar procurando viver corretamente.
Para o autor os caminhos retos envolvem seguir dois aspectos básicos:

a)    Seguir a paz
Aqui o autor mostra mais um paralelo com um escrito paulino. Parece lembrar Rm 12:18, porém vale ressaltar que a paz com todos Paulo deixa claro que ocorrerá se for possível. Esta possibilidade anda junto com a retidão ou com aquilo que é certo.
Seguir é uma tradução de um verbo que compreende um afã pela perseguição (Donald Guthrie).

b)    Seguir a santificação
O segundo aspecto que deve ser perseguido é a santificação. Esta abarca um sentido puramente espiritual. Ver a Deus é o resultado direto da santificação. Esta por sua vez é um resultado da transformação que Deus faz em nosso coração.

3.               Decida em receber a graça (v. 15)
A melhor tradução seria: “atentando, diligentemente, para que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus”. A falta ou a privação que aqui o autor se refere tem haver com o assunto relacionado com Hb 10:25. Quando deixamos de frequentar a congregação não admoestamos nem somos admoestados, somos privados da graça.
Aceitar a graça compreende entender que temos algo melhor fora deste mundo. É saber que Deus nos reservou pela sua soberania moradas fantásticas que de longe são melhores a tudo que podemos ter aqui.
Muitos que se dizem cristãos vivem nos dias de hoje sem aceitar a graça. Não conseguem compreender a maravilha da eternidade que está reservada para eles. Vivem o cristianismo superficial, cheio de coisas que lembram um amor ao mundo enorme.

4.               Decida tirar toda amargura do coração (v. 15)
O autor usa a expressão raiz de amargura. A palavra de Deus nos orienta a produzir frutos dignos do arrependimento (Mt 3:8 e Lc 3:8) e também vivermos dentro do fruto do Espírito (Gl 5:22). Nenhuma planta pode produzir frutos bons se sua raiz não estiver bem alimentada. Se permitirmos que a raiz da amargura brote em nossos corações não produziremos estes frutos. Por melhor que seja a planta se ela tiver uma raiz incapaz de alimentá-la tende a morrer.
Quantos vivem em nossas igrejas com seus corações amargurados. Quantos não conseguem aprender a perdoar e a amar ao seu irmão e vivem com seus corações cheios de amargura.

5.               Decida pelos valores eternos e não pelos terrenos (v. 16, 17)
Esaú é um exemplo de alguém que prefere os valores terrenos. Ele buscava agradar ao seu pai para conseguir seus favores. Jacó, apesar de ter errado por causa disto, queria a bênção de Deus. Ele visava estar mais próximo de Deus.
Muitos são membros de igreja, mas sua visão se limita a um prato de lentilhas. Não conseguem enxergar além do que esta vida pode oferecer. É por isso que muitos começam a frequentar igreja, dizem até que se converteram, mas estavam buscando apenas seu prato de lentilhas. São as lentilhas do emprego, da saúde, da vida emocional. Poucos são os que buscam esperar uma vida eterna ou por um lugar ainda melhor do que este.

Nenhum comentário:

Postar um comentário