domingo, 22 de maio de 2011

CHAMADOS PARA SER DE JESUS

Romanos 1:1-7

A cidade de Roma foi fundada em 735 a.C.. Rodeada de 7 colinas, sua fundação é envolta em lendas e muitas histórias. A principal delas é de Rômulo e Remo que teriam sido alimentados por uma loba. A mais provável é a da formação de um posto militar que tinha como objetivo de impedir a invasão dos etruscos. Latinos, sabinos e etruscos formaram a população inicial.
A religião era basicamente politeísta, chegando adorar alguns deuses gregos. O culto aos antepassados era comum entre as famílias mais tradicionais e cultas. Augusto estabeleceu o culto ao imperador que com o tempo tornou parte da religiosidade romana.

Na época em que Paulo escreveu esta carta o cristianismo ainda era uma religião clandestina. Embora alguns insistam, a igreja não nasceu em Roma, mas em Jerusalém. A Bíblia é clara ao mostrar isto em Atos. De fato, não se sabe ao certo como nasceu a igreja romana. A ideia de que Pedro foi o líder da Igreja romana surgiu no século IV d.C.. No século II acreditava-se que Pedro tinha exercido um ministério em Roma. Também estes fatos não podem ser comprovados pela história. Um ponto importante é que Paulo não menciona Pedro nem como ministro, nem como fundador da igreja romana. Isto é no mínimo estranho, dada a amplitude da carta e a coluna espiritual e histórica que Pedro representa para a igreja.
A igreja era formada principalmente por gentios. É notório no texto quando ele fala para gentios, judeus e os dois. E também procura amenizar as diferenças entre estes povos (Rm 14).
A carta nitidamente é escrita para uma igreja antiga e madura. Não era uma igreja infante, mas era uma congregação que já tinha certo desenvolvimento, o que torna ainda mais impossível ainda a fundação desta igreja por Pedro.
Paulo escreve a carta quando estava em Corinto, provavelmente em torno de 56 d.C.. Seu objetivo é fortalecer o conhecimento bíblico em torno do coração do cristianismo – a justificação pela fé. Além disto, compreendia o desejo de preparar o terreno para a sua ida a Roma.
Foi a carta que tocou o coração de muitos pré-reformadores e reformadores. Foi a carta que tocou o meu coração após uma leitura despretensiosa. Espero que nesta sequência de sermões ela também toque o seu.
No início da carta Paulo utiliza uma forma de cumprimento que é empregado em praticamente todas as outras. Este prólogo nos traz os primeiros dos muitos ensinos que esta maravilhosa carta  nos apresenta.
Neste início aprendemos as características de alguém que é chamado para ser de Jesus. Paulo sabia de sua chamada e mostra que nós também podemos ter esta certeza, e que todos nós somos chamados por Deus. Segue então os aspectos de alguém chamado por Deus.

1.               Deve ser alguém separado (v. 1, 7)
“...separado para o evangelho de Deus...”
Paulo começa dizendo que foi chamado para ser apóstolo. Esta chamada envolve alguns aspectos interessantes, mas o principal deles o próprio Paulo deixa claro, ele era separado. Esta separação envolve uma escolha. Este ponto deve nos trazer grande conforto, afinal, Deus nos escolheu. Apesar de todas nossas falhas, o Senhor nos separou para si.  
Três aspectos compreendem os que são separados:

a)    Separado do mundo;

O cristão é chamado para ser sal e luz. Neste aspecto esta chamada compreende separar-se do pecado que mundo tem a oferecer. O mundo, junto com a carne e o diabo, formam a tríade de inimigos que trabalham contra a vida do crente.

b)    Separado para Deus

Separado para Deus implica em uma vida onde tudo que fazemos deve ser para a glória de Deus. Não podemos fazer nada para a nossa própria glória. Não podemos fazer nada que seja para a exaltação do próprio homem.
Somo separados para Deus com o objetivo de vivermos para o louvor de sua glória.

c)     Separado das concupiscências.

Somos chamados para nos afastar de nossas carnalidades. De tudo aquilo que nos afasta da glória de Deus. Somos separados do pecado para que não possamos mais desagradar a Deus.

2.               Deve ser alguém que confia nas promessas das Escrituras (v. 2)
“o qual foi por Deus, outrora, prometido por intermédio dos seus profetas nas Sagradas Escrituras”

Paulo está falando de Jesus. Ele é a promessa de Deus através de sua Palavra. Hoje precisamos confiar mais nas promessas de Deus. Deus ao longo dos séculos tem salvado aqueles que se comprometeram e creram em suas promessas.
Deus prometeu enviar seu filho ao mundo para salvar a humanidade. Cumpriu. Deus prometeu enviar o seu Espírito Santo. Cumpriu. Ele promete que Jesus vai voltar um dia para julgar toda humanidade. Cumprirá.
Não adianta afirmarmos que somos de Cristo e o seguimos se não confiamos nas promessas de sua Palavra.

3.               Deve ser alguém que creia no poder de Deus (v. 3, 4)
“...e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor, por intermédio de quem viemos a receber graça e apostolado por amor do seu nome, para a obediência por fé...”

Paulo descreve uma expectativa divina. O autor aos hebreus afirma que é impossível agradar a Deus sem fé, pois quem crer nele precisa acreditar que Ele é galardoador. O texto em questão encontra-se no capítulo da fé (Hb 11). Mostra que nossa fé deve nos encaminhar para a vida eterna. Esta é a maior demonstração do poder de Deus.  
Crer no poder de Deus é muito mais do que buscar bênçãos para esta vida. É crer que ele nos tem dado a vida eterna e nos garante através de Cristo. A carta aos Romanos é um tratado que mostra a justificação pela fé. Somos salvos através da cruz e é dela que emana a garantia de nossa vida eterna. Crer no poder de Deus é saber que ele é poderoso para nos guardar até o fim.

4.               Deve ser alguém que viva para obedecer a Deus (v. 5)

"...para a obediência por fé..."

Crer em Deus e continuar vivendo do mesmo modo significa que não cremos. Nossa fé é baseada em esperança e obediência. Jesus disse: “Se me amardes guardareis meus mandamentos” (Jo 14:15).
Amor não é medido somente por participações nos cultos ou por viver de forma a agradar um grupo ou denominação, o amor é medido pelo nosso compromisso com o reino. Não temos um compromisso com nós mesmo, mas com o reino. O verdadeiro chamado por Deus tem com compromisso com ele.
Você quer ser chamado por Deus? Tenha em mente que precisa viver para a glória dele e em sua obediência.
A primeira obediência de alguém chamado por Deus é reconhecer a sua situação diante de Deus, ou seja, somos pecadores. A segunda coisa é aceitar a Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas.

Um comentário:

  1. Parabéns pelo Blog.
    Ficou ótimo a acessibilidade e será maravilhoso poder reler os esboços dos sermões passados.
    Deus continue te fortalecendo e usando para abençoar outros!
    Em Cristo

    ResponderExcluir