domingo, 26 de junho de 2011

A JUSTIÇA DE DEUS PARA TODOS


Romanos 2:1-11

Paulo inicia este trecho falando de um modo especial para os judeus. Muitos se achavam acima de todos os outros povos. Paulo passa a mostrar que o julgamento de Deus não leva em conta nada disso, e que ele olha principalmente para o coração do homem. 
Muitos judeus achavam que, uma vez que eram o povo escolhido, pouco importava o tipo de vida que levavam. Paulo está tentando mostrar que uma vida de perseverança e santidade é muito importante diante de Deus. 


1. Quem julga os outros por Deus será julgado (v. 1)

Paulo mostra o que Jesus já havia falado em Mt 7. Por mais que proclamemos a verdade não temos a autoridade de julgar ninguém. Muitos hoje se consideram cristãos e se acham acima dos outros. Alguns por não  beberem, fumarem ou fazerem coisas deste tipo se consideram mais santos do que outros. 
A Bíblia é clara ao mostrar que é Deus quem julga e que nós não temos autoridade para isto. O julgamento salvífico vem somente de Deus. 
Os judeus, assim como muitos religiosos hoje, achavam que tinham uma vida santa por não fazerem certas coisas e por cumprirem seus rituais. Hoje muitos cristãos acham que têm uma vida mais santa do que outros porque pregam, ensinam, frequentam igreja, participam das reuniões denominacionais, e coisas semelhantes a estas. Julgam a fé dos outros pelo seu ativismo, ritualismo ou tradição. 
Paulo deixa claro que a autoridade de julgar vem somente de Deus e de mais ninguém. À igreja cabe julgar para a comunhão, mas para a salvação somente Deus é capaz. 

2. Julgar com falsidade é pior (v.2, 3)

Pior do que julgar, é julgar e praticar aquilo que julga nos outros. É este ponto que Paulo ataca nos versos acima. Neste ponto a liderança judaica era mestre. Muitos eram os lideres que em seus discursos condenavam aqueles que praticavam certos atos pecaminosos, principalmente no que tange o problema da sexualidade. 
Era comum líderes judaicos ensinarem contra a prostituição e se prostituírem. Muitos se aproveitavam da situação das viúvas para adulterarem com elas. 
Paulo está mostrando que se o julgamento é indesculpável, pior ainda quando ele vem cheio de falsidade. Não adianta você condenar aquele que prostitui, quando você faz o mesmo.
Muitos parece que se esquecem que Deus é onisciente. Há aqueles que pensam que no recôndito do seu quarto, ou de um quarto de motel, podem fazer o que quiser que ninguém está vendo. Parecem desconhecer o que diz o salmista Davi:
“Tu me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão. Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodo elevado, não o posso atingir. Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também” (Sl 139:5-8)


3. O que julga pelas obras a salvação não experimentou o verdadeiro arrependimento (v. 3,4)

Tiago nos faz uma advertência:
"Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear a língua, antes, enganando o próprio coração, a sua religião é vã." (Tg 1:26)
Esta advertência do irmão do Senhor se encaixa nisto que Paulo está agora confirmando. Há muitas pessoas que exteriorizam uma religião que não vivem. Que cobram dos outros ações que elas mesmas não as vivem. Esta é uma religiosidade vazia.
Meu amado, se você frequenta igreja, foi batizado, participa de todos os rituais eclesiásticos, mas não conhece o verdadeiro arrependimento que o leva a uma fé que não julga; uma fé que o transporta para a presença do Deus vivo, você está desprezando a bondade de Deus, você está brincando com a longanimidade do Soberano. 
O verdadeiro arrependido sabe que foi salvo pela graça de Deus que se manifesta através de sua bondade, tolerância e longanimidade. O salvo em Cristo expõe o pecado, mas não julga o pecador. Por mais que saiba que Deus odeia o pecado não compete a ninguém julgar a salvação de outrem. 

4. O sofrimento será maior para o falso religioso (v. 5,6)

Aqui entramos em um ponto muito delicado. Não creio que o púlpito seja lugar para tal exposição e não pretendo trazer confusão à sua mente. Mas é importante observar o quanto Deus rejeita a falsa religiosidade. É importante notar como o Senhor despreza o sentimento de superioridade que alguns afirmam ter por serem religiosos praticantes. 
É claro que isto não pode servir de justificativa para alguns que deixam de frequentar a congregação e não recebem a admoestação que vem do Senhor através do convívio e da comunhão. Isto vimos na exposição da epístola aos hebreus que é fundamental. 
Em contrapartida, o falso religioso atrai sobre si a ira de Deus. Neste ponto devemos olhar dois ângulos. Aqueles que muitas vezes são falsos religiosos, mas são de fato convertidos. Estes receberão de Deus a punição em seu galardão. E aqueles que são falsos religiosos e não são convertidos. Estes receberão um sofrimento ainda maior no inferno. Mas creio que esta é uma discussão para seminários e círculos teológicos, o que devemos realmente saber é o quanto Deus rejeita a falsa religiosidade. 
A falsa religiosidade pode se manifestar sob algumas roupagens:
a) A roupagem do legalismo;
b) A roupagem do tradicionalismo;
c) A roupagem do individualismo;
Na primeira vemos pessoas que colocam a lei acima da humanidade. Jesus condenou os fariseus que faziam isto. Na segunda são pessoas que as tradições estão acima da lei e da humanidade. Jesus chamou de hipócritas aqueles que viviam desta forma. No individualismo a pessoa se coloca acima das tradições, da lei e do resto da humanidade. É aquela pessoa que acha que somente seus pensamentos estão corretos e que ninguém mais está. Este tipo de pessoa pode se revestir de religioso ou não. Muitas criam no “Eu”; é um tal de “Eu faço assim...”, “Eu penso isso...”, “Eu creio dessa forma...”. 
O mesmo Paulo nos chama atenção em Colossenses para a roupagem que devemos vestir:
“Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade, suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também. E, sobre tudo isto,  revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição.” (Cl 3:12-14)
Qual a roupagem de sua religião?

5. Precisamos buscar a glória imortal e não a perene (v. 7)

Como isto hoje tem sido esquecido. Nos nossos púlpitos se proclama somente um Deus que resolve nossos problemas nesta vida. Não tenho visto nestas novas denominações nenhuma exposição acerca da salvação eterna. Raramente vejo o pecado sendo confrontado com a Palavra de Deus. Olha-se para as promessas eternas e as colocam como temporais. 
Meu amado, o que lhe traz aqui? Talvez você veio para poder receber uma bênção que você julga especial ou julga importante. Eu quero neste momento lhe oferecer uma bênção que é eterna e primordial. Sem ela não adianta você ser curado, liberto de alguma maldição, ou conseguir aquele emprego que tanto deseja. Eu quero neste momento lhe oferecer a bênção eterna da salvação. Esta compreende a glória em Cristo, Jesus Nosso Senhor. Você deseja isto para sua vida? Se deseja, então permita que o Espírito neste momento transforme sua vida e faça de você uma habitação dele. Permita que Deus limpe seus pecados e entre em seu coração para sempre, habitando através do Espírito Santo. 
Quero lhe dizer uma coisa aterradora: A ira de Deus é inevitável sobre a humanidade.


6. A ira de Deus é inevitável sobre a humanidade (v. 8)

Este ponto tem sido evitado em nossos púlpitos. Nossos pregadores no afã de ganhar mais dinheiro, mais status, mais poder; tem evitado falar desta triste realidade. 
Paulo escrevendo no capítulo 2 afirma que a dureza do coração do homem vai reservá-lo para o dia da ira de Deus. 
Em I Ts 5:9 o mesmo Paulo afirma que aqueles que foram transformados pelo sangue de Cristo na cruz do calvário não são destinados para ira, mas aqueles que não aceitam tal sacrifício têm um destino triste e cruel. É por isso, amado, que você precisa hoje tomar uma decisão. Ou continua no pecado, longe da presença de Deus; ou realmente se coloca aos pés do Senhor e permita que ele faça uma obra completa em sua vida. Ou você fica ao lado daqueles que estão destinados para a herança eterna; ou fica ao lado daqueles estão caminhando para a perdição eterna. O que você vai decidir hoje?

Nenhum comentário:

Postar um comentário