domingo, 5 de junho de 2011

VIVENDO O PODER DO EVANGELHO

Romanos 1:16-17
Este trecho é a descrição do tema que Paulo pretende discorrer em sua epístola. Particularmente creio que aqui terminaria um capítulo e os versículos seguintes até o final formariam outro capítulo.  
Este foi o trecho que tocou o coração de Lutero e o coração de Aníbal Pereira dos Reis. Este é o ponto nevrálgico do ensino paulino que emana por todas as suas cartas.
A expressão traduzida como “Porque” transmite a ideia que Paulo está continuando a falar sobre seu desejo de pregar o evangelho aos romanos. Ele se achava pronto para transmitir a Palavra, pois não se envergonhava do evangelho.

Cinco aspectos denotam que vivemos o poder do evangelho:


1.               Não nos envergonhamos de sermos o que somos
“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo”

O cristianismo deve se contextualizar. Esta afirmação está totalmente coberta de razão, mas precisamos tomar muito cuidado para não a usarmos como pretexto para mostrarmos que temos vergonha de sermos o que somos.
Muitos membros de igreja parecem ter vergonha do evangelho. Não têm desejo de viver como Jesus. Não têm desejo de buscar a santidade que Deus lhes pede. São pessoas que se comportam claramente de forma a terem vergonha do evangelho.
Paulo não tinha vergonha pois sabia que era a fonte de sua salvação. Reconhecia que Deus o tinha justificado e por isso ele era agora filho de Deus pela adoção eterna.
O verdadeiro cristão não tem vergonha do que é. Vive o cristianismo de forma intensa, mesmo debaixo de escárnios e deboches. Como você tem vivido o cristianismo?

2.               Cremos que somos salvos pelo poder de Deus e não de nossa justiça
“...é o poder de Deus para a salvação...”

Este ponto é importantíssimo para a compreensão do verdadeiro evangelho. Ninguém é salvo pelo seu merecimento. Somente através do poder do evangelho é que somos salvos.
Não podemos fazer nada a não ser clamar e pedir socorro para que possamos realmente ser salvos.
A salvação é um dom divino. Dado de forma completamente imerecida por nós. É a ação da graça de Deus que nos salva e garante a vida eterna.
Esta expressão paulina retrata uma verdade tremenda: “Não existe salvação fora do evangelho”. A exposição do evangelho que nos salva de não uma simples decisão intelectual ou sentimental. Somente através da compreensão do que é o evangelho é que somos realmente salvos.
Se você acha que foi salvo porque Deus o curou de alguma doença; ou que ele tenha lhe dado um emprego, pode estar caminhando para inferno andando paralelo ao paraíso.

3.               Cremos que o evangelho é universal
“... para a salvação de todo aquele que crê”

Um dos aspectos mais triste na atualidade é a fragmentação do povo de Deus. Igrejas para negros, brancos, ricos ou pobres. Vê-se claramente o interesse ditando a comunidade. Somos membros aonde temos afinidade e não aonde realmente se prega o evangelho.
O grande número de denominações que aparecem reflete a grande fragmentação. Isto demonstra o quanto achamos que o evangelho é para este ou aquele grupo. Os judeus achavam que o Messias seria somente para eles. Isto tem sido vivido de outras formas nos dias de hoje. Precisamos entender que Jesus veio para todos. Que ele morreu para humanidade, para todo aquele que crê.

4.               Compreendemos o que este evangelho nos justifica
“Porque nele se descobre a justiça de Deus...”

Uma pessoa que se diz cristã precisa saber o que significa o evangelho de Deus. Mark Dever escrevendo o livro “Nove marcas de uma igreja saudável” trabalha para mostrar isto. Vejamos este grande aspecto do viver o poder do evangelho:

a)    O evangelho é mais do que um viver em bem estar

Muitos vêm a igreja para ter apenas uma terapia religiosa. Os bancos e cadeiras do santuário não passam de divãs onde seus problemas são resolvidos.
O evangelho compreende saber que somos depravados e moralmente decaídos. Que mais do que estar bem conosco, precisamos estar bem com Deus. Que o pecado é uma realidade presente que precisa ser mudada através do sangue de Cristo.

b)    O evangelho é saber que Deus não é apenas amor

O amor de Deus é como um amor de pai. Ele não apenas acaricia, mas guia e disciplina seus filhos dentro dos padrões que crê que são corretos. Deus quer que caminhemos pelos caminhos que ele estabelece em sua Palavra.

c)     O evangelho é saber que Jesus é mais do que nosso amigo

O evangelho muitas vezes é apresentado como um relacionamento novo que você passa a ter com Cristo. O verdadeiro cristianismo compreende que tem contas a ajustar com Deus. Que tem pecados a serem confessados, purificados e limpos pelo sangue na cruz do Calvário.

d)    O evangelho é mais do que viver uma vida correta

É comum achar que para se tornar cristão basta passar a não fazer certas coisas. De fato Cristo nos chama a viver uma vida diferente, mas vai além disto. Também não basta frequentar cultos ou trabalhos da igreja. Também vai além disto. O arrependimento e a fé devem estar presentes constantemente em nossas vidas.

5.               Vivemos pela fé diante desta vida
“Mas o justo viverá pela fé”

 Viver o poder do evangelho é ter a consciência de que nesta vida precisamos caminhar pela fé. E isto por sua vez compreende que não precisamos mais de dar jeitos para as coisas acontecerem, bastar confiarmos de fato em Deus. Basta ter uma vida voltada para a vontade de Deus.
O justo vive pela fé não para alcançar algum merecimento. Ele sabe que por mais que faça nunca terá. Pelos três aspectos compreendem o viver pela fé do justo:

a)    O justo vive pela fé pelo simples fato que ama a seu Deus sobre todas as coisas.

b)     Ele vive pela fé pois sabe que nada tem a perder nesta vida, uma vez que algo muito maior o aguarda na eternidade.

c)     Ele vive pela fé porque reconhece que é a única maneira de agradar ao Deus que lhe justificou.


Procure compreender isto e faça esta pergunta a si mesmo: Tenho vivido de forma a confiar no poder de Deus?

Nenhum comentário:

Postar um comentário