segunda-feira, 19 de julho de 2010

AÇÕES DO SACERDÓCIO DE CRISTO

Hebreus 5:1-10 

O autor passa a mostrar que Jesus é superior ao sumo-sacerdote. A superioridade de Jesus é evidenciada pelo fato dele não ter pecado.
O sacerdote era alguém nomeado e chamado por Deus. Ninguém podia escolher ser sacerdote, todos que nasciam na tribo de Levi já carregavam esta condição.

1) Jesus viveu como homem para se compadecer de nossas fraquezas.
O verso 3 deixa claro que todos somos iguais diante de Deus. O sumo sacerdote tinha o seus pecados. Ele levava o sacrifício pelos pecados do povo, mas precisava confessar os seus também.
Ele sabe o que passamos por que em tudo foi tentado, mas sem pecado.
João afirma que o verbo se fez carne e habitou entre nós. João usa expressão que Paulo usa para “carne” (sarque). A carne de Jesus, seus anseios e dores, foram exatamente iguais aos nossos.
Há alguns anos atrás participei de uma cantata onde uma das músicas tinha uma narrativa interessante. Contava a história de um homem que não acreditava no natal, muito menos no nascimento de Cristo. Certo dia sua família foi para igreja no natal e ele ficou em casa. Olhando pela janela viu alguns pardais que tentavam em vão entrar no celeiro para fugir da nevasca. Triste com a situação ele tentava inutilmente ensinar o caminho para a salvação daquele grupo de pássaros. Foi então que ele parou e pensou: “Ah, se eu pudesse me torna um deles para lhes ensinar o caminho”. Foi então que ele entendeu o que significava o natal.
Ao viver entre nós Jesus passou a nos ensinar o caminho para a salvação. Ele disse: “Vinde a mim, todos que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”. Isaias afirma que ele tomou sobre si as nossas iniquidades e transgressões.

2) Jesus se fez homem para alcançar toda humanidade (v. 6, 10)
Um dos problemas que os judeus tinham, e ainda têm de aceitar Jesus, foi o fato de que ele anunciou a mensagem para todos os povos. O sacerdócio de Jesus não foi somente para um povo, etnicamente falando, mas foi para toda humanidade, daí o fato de ser segundo a ordem de Melquisedeque.
Melquisedeque aparece pela primeira vez em Gn 14:18-20. A ele Abraão entregou o seu dízimo. Ele simboliza o sacerdócio de sobre toda humanidade (Sl 110:1-2).
Jesus deixou isto claro ao conversar e pregar para a mulher samaritana. Ao contar a parábola do bom samaritano. Ao ir à casa de Jairo e curar a sua filha.
Jesus veio para a toda humanidade. Ele veio para dar esperança a todos. Talvez você se ache distante de Deus e ele não pode lhe alcançar. Mas saiba que Jesus não só pode como quer.
Jesus pediu a seus discípulos para irem até aos confins da terra. O movimento missionário do povo de Deus existe para cumprir este propósito. Deus, através de Jesus, deseja alcançar toda humanidade. Uma das mensagens proféticas diz: “ Este evangelho do reino será pregado a todos os povos... aí então será o fim” (Mc 10:13).

3) Jesus clamou para nos livrar da morte (v. 7)
Isaias 53 afirma do grande sofrimento do Messias. O clamor de Cristo começou no Getsêmani e se encerrou na cruz. Ele foi atendido porque Jesus preenchia todo requisito de santidade que Deus exigia. Jesus foi à Cruz sem pecado. Ele não clamou por si, antes clamou por você e por mim.

4) Jesus morreu para que nossa salvação fosse garantida (v. 9)
Em João 5:24 lemos:
“Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida.” (grifo meu)
Um dos assuntos principais de Hebreus é a eternidade. A questão escatológica é muito vista no livro. Quando se vê as expressões: “naquele dia”, “dia do Senhor”, “últimos dias”, “esperança”, entre outras. Estas expressões carregam o peso escatológico. Este peso das últimas coisas denota a garantia que Jesus dá para aquele que realmente tomaram a decisão de segui-lo.
Mas a esta garantia só pode ser dadas através da obediência. Esta obediência não consiste em buscar a salvação através das obras. Antes consiste em seguir os passos daquela confissão (Hb 4:14).

Nenhum comentário:

Postar um comentário