segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

ESCOLHIDOS PARA VENCER

Romanos 8:31-39

Antes de qualquer coisa quero deixar claro que não sou adepto ao positivismo, teologia da prosperidade, ou coisas parecidas com estas, mas o título em questão tem haver com a certeza de que os eleitos de Deus chegarão até o final de sua lida neste mundo com a vitória mais do que garantida.
Os versos 28 a 30 servem como ligação para o que Paulo tratou até o verso 27. Como vimos, o Espírito Santo é o tema central do capítulo, e estes nove versos finais mostram os resultados da obra do Espírito na vida daqueles que foram escolhidos, segundo a presciência e soberania de Deus, antes da fundação do mundo.


1.         Nossa vitória é certa pela presença de Deus dentro nós (v. 31)
Paulo inicia com uma pergunta retórica: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?”. Esta pergunta não carrega dúvida, como bem afirma Murray. Como já falamos, o capítulo 8 exalta a pessoa do Espírito Santo e mostra o papel deste na segurança dos eleitos de Deus. Vimos anteriormente que uma das provas de que somos filhos de Deus é a presença do Espírito Santo dentro de nós (v. 19). Além disso, Paulo em outras passagens trata o Espírito Santo como penhor, ou seja, garantia de nossa salvação. Em II Co 1:22 o Espírito nos é dado como penhor em nossos corações. Em II Co 5:5 Paulo mostra que nosso corpo está sendo preparado para a eternidade (v. 4) através do penhor do Espírito dentro dele. E em Ef 1:13 e 14 Paulo afirma que o Espírito Santo nos é dado como penhor de nossa herança. Por tudo isto, e muito mais podemos ter certeza da nossa vitória mediante a presença de Deus dentro de nós.
É interessante que Paulo não está falando da ausência de lutas nesta vida. Ele não se refere a estarmos isentos dos sofrimentos que o pecado já causa a toda humanidade. Antes, ele fala da certeza que um dia estaremos para sempre com ele e que estará conosco aqui nesta vida em todos os instantes. É aproximadamente isto que o salmista está dizendo no salmo mais famoso da Bíblia quando afirma: “Ainda que eu ande no vale da sombra e da morte não temerei mal algum, porque tu estás comigo”.
Como é triste saber que cada dia tem aumentado o número de crentes que não possuem esta segurança. Deus nos dá plena segurança exatamente porque nos tornamos habitação sua através da terceira pessoa da trindade. Além disso, nossa vitória é certa pelo sacrifício propiciatório de Cristo.

2.         Nossa vitória é certa pelo sacrifício propiciatório de Cristo (v. 32-34)
Esta poesia fantástica de Paulo traz também grande profundidade teológica. Embora não esteja diretamente relacionada a expressão “propiciação”, para mim ela fica implícita na ideia de que nada pode nos condenar mais, nem mesmo a ira de Deus.
O sacrifício de Cristo apaga toda ira de Deus sobre aquele que se arrepende de seus pecados e aceita a Jesus como Senhor e Salvador de sua vida. Vale lembrar que nós estávamos condenados debaixo da própria ira de Deus. Através do sacrifício de Cristo somos comprados e remidos disto, nossa dívida é paga e a ira de Deus é aplacada. Isto é propiciação.
Ao levar Jesus à Cruz, não o poupando, Deus se satisfez completamente. É exatamente isto que Isaías afirma em seu capítulo 53, principalmente no versículo 10:
“Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os dias, e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão.”

O prazer do Senhor está exatamente em ter sua ira aplacada e redimidos os pecadores que ele amou desde a fundação do mundo. Deus aceitou o sacrifício de Jesus. É exatamente isto que Isaías está dizendo. E é exatamente isto que Paulo afirma com outras Palavras. Isaias fala de expiação, esta compreende a pena paga por um delito.  Jesus pagou esta pena, ele carregou sobre si as nossas iniquidades, os nossos pecados e delitos. A pergunta retórica de Paulo é interessante: Como alguém pode nos condenar se Jesus já pagou a nossa pena e aplacou a ira do justo juiz?
O mais interessante de tudo isto é que Deus, depois de satisfeita a sua ira, ele nos concede promessas maravilhosas. A expressão “nos dará também com ele” carrega um peso escatológico, ou seja, um peso da volta de Cristo e nosso encontro com ele. Deus deu tudo a Cristo na eternidade, e dará a nós também, pois somos herdeiros de Deus e coerdeiros de Cristo. Tudo isto ocorre porque além da ira de Deus ser aplacada, somos justificados diante dEle.

3.         Nossa vitória é certa pois somos justificados pelo próprio Deus (v. 33)
Deus não poderia ter sua ira aplacada no ato da cruz por apenas alguns instantes. Algo maior precisava acontecer, embora não menos importante, isto foi a justificação. Ser justificado diante de Deus significa se tornar justo diante de um Ser santo e poderoso. Os olhos de Deus procuram bondade, mas em nossos corações só se encontra o pecado. A presença do Espírito Santo em nós é que garante que o soberano nos olhe como justificados.
A justificação é um ato que ocorre junto com a regeneração. Ambas representam o grande amor de Deus pelo seu povo. A nós é totalmente impossível alcançarmos a justificação, por isso precisamos da ação do Espírito em nossos corações.
Mas o mais importante é que fomos justificados pela ação do próprio Deus. Foi o verbo que se fez carne e habitou entre, sendo crucificado e ressurreto no terceiro dia, que nos trouxe a justificação. Meu amado, se você ainda não compreendeu esta mensagem, significa que Jesus ainda não entrou em seu coração. Você ainda não aceitou o sacrifício do próprio Deus em sua vida, significa que você ainda não foi justificado diante do Senhor.
Somente através da obra da cruz, após reconhecermos a nossa situação diante de Deus, e recebermos a Jesus como Salvador e Senhor de nossas vidas; é que de fato somos justificados. Após fazermos tudo isto, do fundo do nosso coração somos justificados. Isto ocorre exatamente porque somos alvos do amor sacrificial de Deus.

4.         Nossa vitória é certa pois somos alvos do amor sacrificial de Deus (v. 37-39)
Na carta aos hebreus o autor afirma que se fosse possível àqueles que receberam o dom gratuito da salvação, perde-lo, estariam expondo Cristo à vergonha (Hb 6:4-6). Em outras palavras, se nossa vitória não fosse certa em Cristo, todo seu sacrifício de amor teria sido em vão.
O amor de Cristo derramado na cruz jamais pode ser em vão. O que pode acontecer que pessoas pensem que aceitaram por aquilo que são ou fazem, mas no fundo ainda não o receberam como Senhor e Salvador de suas vidas. Ainda não se curvaram ante o senhorio de Cristo.
Infelizmente existe muita gente que é membro de igreja, que já adentrou as águas batismais, todavia ainda não conheceu o dom gratuito de Deus em Cristo, a vida eterna. Meu amado, a vida eterna é algo que você pode experimentar agora. Hoje. É algo que você pode conhecer ainda nesta vida. Jesus afirma que aquele que o segue, tem a vida eterna. Veja bem, não é “terá”, ou “talvez terá”, mas “tem” hoje, agora.
Aceite o amor sacrificial de Jesus. Aceite que você é um pecador e precisa se arrepender de seus pecados. Aceite que Jesus foi à cruz para que você tenha hoje a vida eterna. E abrace esta vida através do arrependimento e da fé.
Se você já é membro de igreja, mas ainda não tem a certeza, reavalie seu cristianismo. Pense se você entrou na igreja somente por causa do louvor, do teatro, dos embaixadores, das mensageiras, ou mesmo porque cresceu no lar evangélico. Talvez lhe falte ainda conversão genuína. Talvez lhe falte ter uma experiência com Deus. Hoje eu lhe ofereço esta experiência. Hoje eu lhe ofereço a oportunidade de Jesus ser não apenas Salvador de sua vida, mas Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário