segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

A OBRA CONSOLADORA DO ESPÍRITO SANTO

Romanos 8:26-27

Paulo retorna ao assunto principal deste capítulo – o Espírito Santo. Ele vai mostrar que a obra do Espírito é constante em nossas vidas e produz em nós uma tranquilidade muito grande.
O apóstolo inicia o verso 26 dizendo “Também o Espírito, semelhantemente”, conforme versão Revista e Atualizada, esta afirmação é o fechamento do parêntesis aberto entre os versos 18 a 25 onde ele tratou da esperança da glória final. No trecho citado Paulo destaca, como já preguei, que a glória final é muito maior que qualquer coisa que venhamos a passar. Afirmado isto, o apóstolo está complementando dizendo que a obra consoladora do Espírito é suficiente para nos manter dentro dos caminhos que Deus estabeleceu para o seu povo.

Na versão Revista e Corrigida de João Ferreira de Almeida, vemos a expressão “E da mesma maneira”, ou seja, do mesmo modo que nossa esperança deve ser maior que a tribulação que nos cerca, devemos confiar que o Espírito Santo nos acompanha através desta obra consoladora. Neste pequeno trecho vemos alguns aspectos desta obra, como segue.

1.         O Espírito Santo nos ajuda em nossas fraquezas (v. 26)
Paulo utiliza uma expressão que é traduzida como “ajuda” ou “assiste”, variando conforme a versão, que mostra a ideia de trabalhar junto. Esta é a ideia primária do ajudador. Quando Jesus disse que o pai enviaria outro consolador, referindo-se ao Espírito Santo,  ele usa uma palavra que basicamente significa “aquele que está ao lado”. É exatamente este o papel do Espírito dentro do cristão, além de capacitá-lo com dons (I Co 12).
É interessante notar que é uma ajuda com a participação do cristão. Isto significa que Paulo se refere aqui à santificação. Na santificação, como bem lembrou Wayne Grudem, nós participamos do processo, ao contrário das outras obras de Deus como justificação, expiação, regeneração e mesmo glorificação. Note bem, meu amado, que você precisa participar colocando diante de Deus as suas fraquezas e suas dificuldades para a caminhada pela santificação desejada por Deus. Porém, há momentos que não sabemos pedir. Nesta hora entra em ação o Espírito Santo.
Não saber orar implica em uma fraqueza da alma. Neste sentido Paulo nos mostra, através da expressão que ele usa para fraqueza, que o Espírito Santo nos ajuda em nossa falta de força e de capacidade em vencer tentações e pecados que nos cercam. Além disso, o Espírito Santo nos ajuda no entendimento em nossa alma para as dificuldades que passamos.
O Espirito Santo também nos auxilia a reprimir os desejos corrompidos de nossa alma. A psicologia moderna afirma que não podemos reprimir nossos desejos, a Bíblia nos mostra que o Espírito nos capacita a reprimi-los e vencê-los mediante a ajuda do Espírito Santo de Deus. Paulo escrevendo aos Coríntios afirma que Deus nunca nos deixará ser tentados além do que podemos suportar (I Co 10:13).
Dentro do destaque do tipo de fraqueza que Paulo nos mostra vemos que Espírito Santo nos ajuda a suportar as aflições e nos traz paz diante das preocupações de nossas almas. Diante de tudo isto o Espírito Santo nos conduz a uma paz que traz segurança diante de tudo que nos venha acontecer.

2.         O Espírito Santo intercede para segurança dos eleitos de Deus (v. 26)
Paulo está mostrando que podemos ficar seguros quanto à nossa salvação porque o Espírito Santo se interpõe entre nós e Deus de uma forma sobrenatural. A expressão traduzida na maioria das versões como “gemidos inexprimíveis”, é colocada pela Nova Tradução na Linguagem de Hoje como sendo “com gemidos que não podem ser explicados por palavras”. É exatamente isto. Nada pode explicar a obra sobrenatural de Deus para a conservação dos seus eleitos. Da mesma forma nada pode realmente explicar a eleição de Deus através de sua soberania e presciência (Rm 9:29; I Pe 1:2).
A intercessão do Espírito envolve tanto em nos ajudar a orar, quanto a caminhar pelos caminhos que o Senhor nos designou. É por isso que podemos ficar tranquilos. É por isso que temos segurança na eleição divina pois ela tem duas seguranças que não falham. A primeira é a obra consumada na cruz do Calvário. A segunda é o penhor de nossa salvação habitando dentro de nós – o Espírito Santo. É nesta segunda que Paulo está trabalhando neste capítulo.
No início do verso 27 Paulo mostra que Deus conhece nossos corações e a mente do Espírito. Isto é mais uma coisa que deveria nos dar segurança. Este conhecimento de Deus deve também nos dar segurança para a vida eterna.
Muitos afirmam que não é possível ter segurança na vida eterna e por isso entram em um ativismo desenfreado para conseguir ou manter a salvação. Isto significa que estas pessoas realmente não entenderam a mensagem da cruz. Esta mensagem não deve nos fazer trabalhar para alcançarmos a salvação. Ela deve nos fazer ter paz e saber que Deus realmente nos perdoou e nos garantiu a salvação através da presença do Espírito Santo dentro de nós.
É claro que não existe a ideia que muitos pregam que Deus salva aquele que declara crer em Jesus sem precisar viver uma vida de santidade. John MaCarthur chama isto da teologia do não-senhorio. Nesta teoria muitos afirmam que aceitar a Jesus não envolve necessariamente viver para ele; de praticar obras concernentes à salvação. O problema que o Espírito Santo está dentro de nós exatamente por causa disto. Ele nos ajuda a caminhar dentro daquilo que Deus deseja. Afinal, a Palavra nos adverte para sermos santos. Logo, não somos salvos pelas obras, mas para vivermos nela (Ef 2:8-10). Sendo assim, o Espírito Santo nos ajudará a manter este caminho – o caminho da santidade. Desta forma, o cristão não pratica obras para ser salvo, mas por ser salvo.

3.         O Espírito Santo intercede iluminando os caminhos dos santos de Deus (v. 27)
Paulo encerra o verso 27 mostrando que o Espírito Santo intercede por nós segundo a vontade de Deus para realizarmos tudo conforme esta vontade. A expressão traduzida como “intercede” é outra. Ela significa que o Espírito lança luz sobre nós para que possamos andar dentro da vontade de Deus.
Se não fosse por esta luz a iluminar nossa caminhada, seria impossível conseguirmos andar conforme a vontade de Deus. Nossos pecados e o velho homem tendem a nos derrubar; tendem a nos fazer errar. Por isso que precisamos da luz do Espírito para seguirmos pelas veredas do Senhor.
Outro ponto nesta expressão que Paulo usa é o fato que o Espírito Santo nos afeta para andarmos pelos caminhos que Deus estabeleceu. Este afetar tem haver com produzi em nós o desejo de não errar mais diante de Deus. De tentar caminhar sem desviar do caminho estabelecido. Mas isto só é possível através da ajuda do Espírito Santo de Deus.
Com isso concluímos que mais do que caminhar ao nosso lado e nos ajudar em nossas orações, o Espírito Santo nos ajuda a fazermos tudo conforme a Palavra de Deus,  dentro dos preceitos do Senhor. Tudo isto faz parte a obra consoladora do Espírito Santo.
Se você não tem experimentado esta certeza em sua vida só pode haver duas respostas. Primeiro, você ainda não é um verdadeiro cristão. Falta realmente você tomar uma decisão e permitir que Deus entre em sua vida. Segundo, você está entristecendo o Espírito Santo não dando ouvidos ao toque dele em sua vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário