domingo, 29 de abril de 2012

UMA VIDA ESPIRITUALMENTE SAUDÁVEL - PARTE 1

Vivendo uma vida pessoal intensamente

Romanos 12:9-12

Iniciando falando sobre o amor fraternal, Paulo continuará sua série de conselhos práticos para a boa convivência, tanto dentro como fora da Igreja. O verso 12 é um verso de transição onde ele encerra a questão do amor fraternal e mostra como devemos nos comportar individualmente. Como deve ser nosso proceder quando estivermos a sós com Deus.
É interessante notar quantos levam uma vida respeitosa diante de outras pessoas, mas suas vidas pessoais são repletas de falhas diante de Deus. Para se ter uma vida saudável espiritualmente diante de outros, que é o tema do próximo sermão, que é uma continuidade deste, é preciso começar com nosso comportamento em nossa intimidade. O versículo que serve de base para nosso sermão de hoje contem três exortações fantásticas que ligam a ideia que Paulo começou a trabalhar nos versos 1 a 9. É sobre estas exortações que quero expor a partir de agora.



1.         Uma vida saudável mantem-se pela esperança
No capítulo 8 Paulo expôs sobre esta esperança que agora ele pede que nos alegremos. Murray afirma que sem esta esperança o caráter da salvação não existe, ou seja, é negado. O mandamento paulino é tremendo ele não apenas nos manda aguardar com esperança, mas ele manda nos alegrar nela. Alegrar na esperança é algo que tem faltado aos crentes modernos. Cada vez mais os cristãos, ou pelo menos aqueles que se dizem cristãos, estão buscando satisfação em coisas desta vida. São igrejas movidas a eventos. Cristãos que estão nas igrejas apenas por aquilo que socialmente elas podem oferecer .  Se você está na igreja por outro por motivo que não seja o de cultuar e glorificar a Deus junto com outros irmãos é provável que você não tenha a alegria baseada na esperança.
Davi, enquanto em crise pelo seu pecado, pediu a Deus para dar-lhe de volta a alegria da salvação (Sl 51:12). Esta é a alegria a qual Paulo se refere que deve existir em nosso íntimo. Não é algo que digo apenas da boca para fora, mas é algo presente em meu coração, em meu interior.
Os crentes primitivos viviam cada dia como se Cristo voltasse a qualquer momento. Eles viviam esta esperança que Paulo nos ordena. Aliás, Paulo aqui não está ordenando que eu tenha esperança, mas ele ordena que eu me alegre naquela que eu já tenho. Isto significa que, como bem afirmou Murray, a esperança é a causa da minha alegria e não consequência. O hino 375 do Cantor Cristão afirma “Vivo feliz, pois sou de Jesus, e já desfruto o gozo da luz”. Aqueles que são alcançados pelo poder de Cristo já podem viver alegres na esperança que passa habitar em seus corações.
A esperança eterna é o consolo que deve existir em nossa vida nas horas onde a tristeza abate nossos corações. Jesus disse que no mundo teríamos aflições, mas na mesma sentença ele completa: “... mas tendes bom ânimo (alegria), eu venci o mundo” (Jo 16:33). Esta vitória de Cristo deve consolar nossos corações.  Esta vitória deve nos levar a ter paciência.

2.         Uma vida saudável mantem-se na paciência diante dos sofrimentos
Além da alegria, é necessária para uma saúde espiritual verdadeira a paciência. Mas não é uma paciência qualquer. Não é aquela paciência de esperar por alguém em um compromisso marcado ou ainda de esperar pelo transporte coletivo. A paciência que Paulo se refere é aquela que deve existir no meio das tribulações pela eternidade que para nós é proposta.
É interessante notar que esta paciência que Paulo escreve é produzida pela própria tribulação segundo o mesmo apóstolo (Rm 5:4). Isto implica em uma contradição? De forma alguma. O que Paulo tenta deixar claro que a pessoa realmente transformada sabe que sempre terá algo melhor lhe aguardando no futuro. Desta forma, podemos viver neste mundo sempre em paciência, pois algo melhor e maior nos aguarda. O que mostra com muita propriedade que a esperança e a paciência se completam. Uma sempre segue a outra. Em outras palavras, se tenho de fato esperança em meu coração, não há motivos para não ter paciência.
O mais interessante disto é que Paulo agora argumenta que a paciência deve existir em meio ao sofrimento. É um contraponto bem parecido com o primeiro. Se minha esperança deve ser com alegria, minha paciência deve ser mesmo em meio a tristezas temporais. O que faz com que cada vez mais membros de igreja busquem coisas temporais para se manter na igreja é exatamente a falta de uma perspectiva eterna com base na paciência que vem da alegre esperança que temos.
Meu caro, ser cristão consiste em muito mais do que ir a igreja. Ser cristão é compreender que nos tornamos inimigos do mundo, que por sinal nos odeia (I Jo 3:13), e que passaremos, com toda certeza, por tribulações e lutas. Mas ao mesmo tempo, ser cristão é saber que estas lutas serão vencidas no último dia, por isso, podemos aguardar a volta do Senhor para estarmos para sempre com o ele. Isto é esperar com paciência, mas isto só é possível com uma vida de oração perseverante.

3.         Uma vida saudável mantem-se pela oração perseverante
Ao falar da perseverança em oração Paulo utiliza uma expressão que carrega a ideia de aderir a alguém com dedicação e fidelidade, de ser atento de forma constante mostrando um cuidado especial. A perseverança em oração fecha esta tríade que me permite viver uma vida cristã intensamente. Talvez você fique procurando igreja, indo de lugar para outro e não consegue achar aquilo que deseja. Meu amado ou minha amada, o problema na maioria das vezes está em você mesmo. Primeiro porque tem olhado para igreja como um ponto social. Segundo por não aprender a esperar da forma que Deus nos ensina em sua Palavra. E por último, falta o ingrediente selante de tudo isto, a oração.
Não consigo entender como alguém que afirma ser cristão diz não ter tempo para orar, para estar diante do Pai das luzes, que o tirou das trevas. Como alguém pode dizer que é membro de igreja e não busca a Deus em oração. Que não se coloca diante do Senhor em humildade de Espírito e deixa o próprio Deus agir em sua vida. Sem o ingrediente da oração não conseguimos esperar com paciência. O triângulo só pode ser completo com a base, e esta é a oração perseverante. O mais grave de tudo isto que uma pessoa assim pode estar vivendo uma idolatria, seja pelo dinheiro, pelo trabalho ou pelo lazer, mas é uma idolatria.
Mas antes que você pense alguma coisa quero lhe dizer que esta oração que Paulo se refere nada tem haver com a oração de petição. Esta oração no contexto do trecho lido, refere-se à oração de luta. A oração que nos leva a enfrentar a verdadeira batalha espiritual. Muitos têm vivido vidas pobres espiritualmente porque não buscam perseverar em oração. Pior do que isto, suas orações são sempre cheias de interesse e de barganhas. Querem fazer trocas com Deus como se este fosse nosso servo e não senhor.
Quero concluir dizendo que ainda há tempo. Ainda há tempo para que você possa tomar uma atitude diante de Deus. De mudar sua visão de cristianismo para a visão que a Bíblia nos apresenta. Ainda há tempo de você se arrepender de uma vida cristã pobre e buscar viver de uma forma saudável diante de Deus. Jesus disse que veio para que tivéssemos vida em abundância (Jo 10:10), e você pode começar experimentando isto hoje, se Cristo de fato estiver na sua vida e você estiver com esta tríade em seu coração: alegria na esperança, paciência na tribulação e perseverante em oração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário