terça-feira, 14 de agosto de 2012

ABUNDANTES NA ESPERANÇA DO ESPÍRITO


Romanos 15:7-13


Paulo continua com a ideia de seguir o exemplo de Cristo. A expressão “como também Cristo” faz a ligação deste parágrafo com o anterior. Se a renúncia em Cristo nos dá capacidade de viver dentro da igreja em comunhão e respeito mútuos, seguir seu exemplo nos faz aumentar em muito a esperança do Espírito dentro de nós. Paulo agora exorta tanto a fortes como a fracos para manterem uma comunhão constante que comece em Cristo.
Para Murray, Paulo agora volta a separar gentios e judeus. Particularmente não creio que isto seja um fato. Aparentemente ele separa aqueles que aceitaram a mensagem dos judaizantes, os fracos; daqueles que conseguiram entender perfeitamente a mensagem do evangelho, os fortes. Para Stott, Paulo separa as argumentações práticas e teológicas em duas vertentes: Aceitar os fracos (14:1) e aceitarem-se mutuamente (14:7a).  É nesta linha que passamos a mostrar a abundância na esperança do Espírito que habita em cada eleito de Deus.

Abundantes na esperança do Espírito...

1.    ... buscam a comunhão com a igreja (v. 7)

“Portanto, recebei-vos uns aos outros, como também Cristo nos recebeu para glória de Deus.”
Paulo está encerrando esta série de orientações práticas e teológicas para a igreja em Roma. Ele relembra mais uma vez que se deve buscar comunhão dentro da Igreja. Agora, porém ele mostra que esta comunhão deve ser buscada com o mesmo vigor com o qual Cristo buscou a satisfação da glória do Pai.
Uma coisa é preciso ter em mente. Jesus realmente amou muito a humanidade para ir à cruz. Mas o principal motivo da cruz foi a glória de Deus. Amar a Deus sobre todas as coisas é o primeiro grande mandamento do mestre. Por isso, não adianta buscarmos amar ao próximo sem que isto seja para a glória de Deus. A comunhão na Igreja deve existir pelo fato que se ama a Deus e querer que ele seja glorificado através de nossas vidas.
Quando de fato o Espírito Santo abunda em cada servo a glória do Senhor pode ser notada até por aqueles que estão de fora. Como tem faltado isto hoje. Como é triste ver a Igreja de Cristo sendo alvo de piadas e brincadeiras de pessoas que não conseguem ver a glória de Deus. Como é triste observar que mais e mais cresce o número de pessoas que, além de não terem comunhão com a Igreja verdadeira, buscam seus próprios interesses, muitas vezes financeiros ou de poder para satisfazerem seus egos e/ou seus bolsos.
Se realmente se é abundante no Espírito tem-se comunhão com a Igreja de Cristo. Esta comunhão, segundo o autor aos hebreus, começa quando se frequenta a igreja local e há uma exortação mútua (Hb 10:25). Já falei e vou repetir: “Não existe cristianismo sem Igreja”. O cristianismo verdadeiro só pode existir mediante abundante operação do Espírito que leva o servo de Deus a procurar manter comunhão com a Igreja local.
Paulo usa a expressão “recebei-vos” ou “acolhei-vos”. É uma expressão muito forte cujo original transmite a ideia de “levar a”, “pegar a mais”, “tomar como companheiro”, “acolher em amizade e relacionamento”, e o mais bonito de todos os significados “conceder acesso ao coração”. Meus amados se realmente somos abundantes no Espírito vamos dar acesso ao nosso coração ao irmão necessitado. Aquele que realmente precisa de nosso amparo e carinho. Se realmente somos abundantes em Espírito vamos aprender a conviver com as diferenças. Mas tudo isso, assim como Cristo, para a glória de Deus.

Além do exposto até aqui, aqueles que são abundantes em Espírito...

2.    ... conhecem a verdade de Deus (v. 8-12)

Nos próximos versos Paulo vai tratar da alegria e paz daqueles que estão em abundância do Espírito. Mas nos versos 8 a 12 ele parece abrir um parêntesis que quero destacar nesta reflexão. O apóstolo afirma que Jesus foi “ministro da circuncisão, por causa da verdade de Deus”. Creio que a melhor tradução aqui seria “em favor da verdade de Deus”. Mas qual é a verdade de Deus? Esta pergunta foi feita por Pilatos em João 18:38. Mas a Bíblia mostra que Pilatos virou-se e não quis ouvir a resposta de Cristo.
Jesus respondeu esta indagação em outro texto:
“Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.” (Jo 17:17)


Abundantes em Espírito devem conhecer a Sua verdade que é a Palavra de Deus. Hoje cada vez mais cresce o desinteresse pela verdade de Deus. Igrejas já não se preocupam em ensinar a Bíblia. Pastores já não se debruçam diante da Bíblia para levar a mensagem da verdade de Deus. Como alguém pode dizer que é abundante no Espírito se não conhece a verdade de Deus? Como alguém pode dizer que tem o Espírito Santo e negligencia a fonte de conhecimento, conforto, paz e orientação que este mesmo Espírito deixou? Meu amado a Palavra de Deus deve ser a grande verdade em sua vida.
Outro ponto que a própria Bíblia afirma que Jesus é a verdade de Deus. O próprio Cristo afirma isto em João 14:6. Ele não afirma ser uma das verdades... Ele  não diz ser parte da verdade... Mas Ele diz: “Eu sou a verdade”. Como verdade aqui Jesus está dizendo que Ele é o Verbo (a Palavra) de Deus. Cristo é a verdade encarnada conforme nos garante o escritor aos Hebreus:
“Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias,  pelo Filho” (Hb 1:1)


Jesus é a ação de Deus neste mundo. Ele foi a encarnação de Deus para que o mundo pudesse conhecer a plenitude da verdade divina. Jesus se encarnou para que através de seu sacrifício o povo de Deus fosse remido dos seus pecados. O Verbo encarnado de Deus veio a este mundo cheio de graça e de verdade (Jo 1:14).
Você sabe o que isto significa? Você entende a importância da encarnação de Cristo? Jesus se encarnou e passou mais de 30 anos neste mundo para que aqueles que nele cressem pudessem ter a vida eterna (Jo 3:14-16). Como é interessante notar que Paulo aqui nos faz ligar esta conversa de Jesus com Nicodemos. Antes de falar que Deus deu seu único filho, Jesus afirma que era necessário nascer de novo, da água e do Espírito. Estas expressões carregam toda verdade que Paulo está transmitindo aqui em outras Palavras. Ele está mostrando aos judeus que Jesus veio para formar um povo todo especial onde não haverá mais judeus, gregos ou qualquer outra raça, pois Cristo será tudo em nós.
Você hoje pode fazer parte deste povo. É preciso que se arrependa de seus pecados e volte-se inteiramente a Cristo nascendo primeiramente em Espírito. Aí você conhecerá que Jesus no coração gera uma vida em abundância de Espírito que por sua vez ...

3.    ... têm alegria e paz em sua fé (v. 13)


“Ora, o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo.”

Na Bíblia há 480 ocorrências que se referem a alegria ou gozo. Paulo se utiliza de expressões que retratam alegria ou gozo em pelo menos 30 versículos. No fruto do Espírito (Gl 5:22) Paulo coloca a alegria em sequência ao amor, o que denota a grande importância que tem este sentimento em nossas vidas. A carta aos Filipenses é dedicada somente a este tema. Nesta última epístola o apóstolo por 5 vezes fala sobre alegria.
Paz é outro tema que Paulo trabalha muito. Se alegria ele fala 30 vezes, paz ele atinge a marca de 45 citações, destas, 12 vezes são inseridas na carta aos romanos. Mas a paz que Paulo se refere, não é uma paz qualquer. A paz dele acima de tudo começa com a paz com Deus que vem mediante a nossa justificação (5:1). Ele começa boa parte de suas cartas desejando a paz de Deus. A paz de Deus em nossas vidas só pode ser obtida através da aceitação da obra de Cristo em nossos corações.
Por que podemos afirmar isto? É muito simples. A própria sentença de Paulo nos declara isto quando ele afirma “Deus da esperança”. A esperança referida aqui é a esperança dada pelo próprio Deus em Cristo. Murray é muito feliz ao afirmar que somente o Deus que concede esperança pode nos dar alegria e paz em nossa fé.
Com isto quero dizer uma coisa muito simples. Somente através da esperança eterna transbordando em nossos corações podemos alcançar paz e alegria da forma que Paulo e Cristo denotam. Qualquer pessoa que foi transformada pela obra regeneradora do Espírito experimenta esta paz e alegria em seu coração. Por outro lado, uma vez alcançadas, estas virtudes nos impulsionam de volta a esperança. Isto é magnífico! A esperança que vem de Deus nos leva à alegria e à paz, estas por sua vez nos levam de volta à esperança.
Este ciclo espiritual é que nos faz sentir segurança na suficiência da obra de Deus. Principalmente por esta ser a obra do Espírito Santo que é o selo de nossa salvação.  Quando Paulo evoca o poder do Espírito ele está dizendo em outras Palavras da segurança eterna que pode sentir aquele que é transformado pela obra de Cristo.
Outro ponto importante é que a alegria e paz crescem por meio da fé. Isto significa que nossa fé precisa ser exercitada. Devemos confiar nas promessas de Deus para seu povo. Não é uma fé baseada no egoísmo, mas uma fé centrada na esperança eterna. A fé é o meio que faz com que a graça opere nossa salvação (Ef 2:8). Também é a fé que vai nos fazer sentir paz e alegria. É interessante que muitos quando estão vivendo momentos difíceis não conseguem ter alegria e paz. Isto significa que tem faltado fé para estas pessoas.
Com nossa fé direcionada para Cristo, além da salvação que nos é dada pela graça, temos a alegria e paz do Senhor enchendo nossas vidas. Tudo é o resultado do poder do Espírito Santo dentro de nós.
Com esta saudação Paulo encerra a parte prática que iniciou lá no capítulo 12. Com esta declaração podemos dizer que vivendo dentro da boa, agradável e perfeita vontade de Deus, experimentamos dEle o poder do Espírito que nos enche em gozo e paz através de nossa fé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário