terça-feira, 25 de setembro de 2012

O VIVER OBEDIENTE DO CRISTÃO



Romanos 16:17-20

Paulo dá uma pausa em suas saudações pessoais e faz um último alerta sobre alguns problemas que possam ocorrer na Igreja em virtude de pessoas que são desobedientes à liderança e principalmente às Escrituras.
São os últimos conselhos antes de encerrar sua carta. Podemos tirar daqui alguns ensinos maravilhosos sobre os desobedientes e obedientes em Cristo.



1.    Aspectos dos desobedientes

a)    Promovem dissensões e escândalos contra a doutrina (v. 17)

“E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles.”

Paulo inicia falando sobre aqueles que são desobedientes. Sua preocupação inicial, assim como em outras cartas suas, é a sã doutrina. Paulo mostra que muitos causam desobediência contra a doutrina. Como doutrina devemos ter em mente a Palavra de Deus.
Muitas vezes se causa problemas para a doutrina quando vivemos presos a tradições. Muitos ainda estão presos a questões de tradição. Não são pessoas que pensam na Bíblia como sua regra de fé e de prática, antes são presos aquilo que aprenderam, mesmo que não seja bíblico. Toda tradição pode ser boa ou ruim, mas quando ela fere a Bíblia é simplesmente desastrosa. A única tradição louvável é aquela que se prende unicamente à Palavra de Deus.
Outras vezes causamos problemas contra a doutrina quando vivemos presos ao mundanismo. O mundanismo tem tomado conta de nossas igrejas com muitas roupagens. Algumas vezes ele vem vestido de estratégias que entram com a ideia de ganhar mais almas, mas na realidade somente serve para encher o santuário e não céu. Outras vezes ele vem trasvestido com as ideias da contextualização para que possa alcançar grupos marginalizados ou coisa parecida, mas na realidade só oferece mais um meio para que possam continuar pecando. 
E por último podemos trazer problemas para a sã doutrina quando queremos justificar nossos pecados. Muitos querem justificar seus divórcios, adultérios ou coisas semelhantes a estas. Há igrejas que são formadas para acolher homossexuais. É apenas um meio para justificar o pecado que inunda e mancha a Igreja. Não podemos manter o pecado na Igreja de Cristo. O Antigo Testamento é repleto de mensagens de alerta contra o povo de Deus que pecava contra o Senhor.
A doutrina bíblica deve ser tratada com respeito e cuidado. Não podemos deixar nossos pecados e desejos falarem mais alto do que a vontade de Deus.    

b)    Vivem para suas vanglórias (v. 18)

“Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre...”

Como isto tem sido cada vez mais comum. Nesse quesito até pouco tempo atrás a música se destacava negativamente. Hoje, infelizmente, os pregadores cada vez mais tem se destacado neste quesito. Tem gente demais querendo aparecer, e poucos realmente querendo ser reduzidos para que Cristo cresça.
Paulo chama atenção para pessoas que visam somente seus interesses. Hoje há muitos que visam apenas interesses financeiros. Estes têm usado o evangelho como meio para enganar pessoas e se satisfazerem materialmente.
Existe um grupo que visa seu status social. Querem mostrar seu poder e sua capacidade de persuasão. Querem ter influência na sociedade, mesmo que esta seja negativa.
Há aqueles que estão vivendo enganados e enganando. Que acreditam em coisas que estão fora das Escrituras, mas por amarem mais a si mesmos não conseguem ver isto.
Amados, devemos tomar muito cuidado com a vida que temos levado dentro do cristianismo. A Palavra de Deus nos alerta para não almejarmos coisas altas, mas nos contentarmos com as pequenas. A ideia aqui é exatamente isto que Paulo está mostrando no texto em questão. Não podemos ficar olhando apenas com os nossos interesses.
A Bíblia nos orienta a fazer todas as coisas para a glória de Deus. Se o que fazemos pela obra do Senhor for apenas para nos vangloriar, não há mérito algum, mesmo que ganhemos o mundo inteiro.

c)     Enganam pela sua simpatia e belas palavras (v. 18)

“...e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos símplices.”

Não é em todo caso, mas normalmente pessoas que vivem fora dos padrões de Deus são amáveis, simpáticas e muito carismáticas. Elas precisam ser assim porque de outra forma não conseguiriam o que querem.
Paulo alerta para que as pessoas não se deixem enganar. Os mais símplices normalmente são enganados por este grupo que com simpatia e belas palavras enganam a todos. Paulo escrevendo aos Coríntios afirma que Satanás se transfigura em anjo de luz. Tudo isto com a intenção de enganar. Pessoas desse tipo são escravas do pai da mentira e desejam enganar os filhos da luz. Jesus nos alerta que os falsos profetas fariam sinais que “se possível enganaria até os escolhidos” (Mt 24:24; Mc 13:22).
A expressão traduzida como “suaves palavras” na maioria das versões significa palavras que simulam bondade. São pessoas que falam que fazem o bem, mas que no fundo estão apenas interessadas em si mesmas. Normalmente estão interessadas em se promover à custa alheia.
O apóstolo usa uma expressão que é traduzida como “lisonja” e que normalmente é usada positivamente para louvor a Deus, gratidão ou enaltecimento. Mas, dependendo do contexto, ela pode ter um significado negativo que transmite a ideia de linguagem adaptada para cativar o ouvinte. Seria nos dias de hoje semelhante aos discursos políticos.
Os desobedientes muitas vezes conseguem enganar as pessoas mais símplices com esta falsa espiritualidade. São pessoas que visam seus interesses que talvez nem foram realmente transformados pela graça de Deus.


2.               Aspectos dos obedientes (v. 19)

“Quanto à vossa obediência, é ela conhecida de todos. Comprazo-me, pois, em vós; e quero que sejais sábios no bem, mas símplices no mal.”

Paulo mostra que os obedientes têm aspectos mais símplices do que os desobedientes.
A obediência dentro da igreja de Cristo começa pela Palavra de Deus. O salmista afirma que bem-aventurado é aquele que medita na lei do Senhor (Sl 1:1,2). Mas Paulo mostra duas características muito simples daqueles que de fato são obedientes. Eram característica que ele afirma que podia ver nos membros da igreja em Roma.

a)    São sábios no bem (v. 19)

A sabedoria no bem implica em alguém que deseja realmente fazer o bem e viver dentro dele. A melhor tradução para estas expressões do apóstolo seria “sábios em direção ao bem”. Paulo está dizendo com isto que nosso coração e nossa mente precisam estar voltadas inteiramente para a pratica do bem.
Como é triste ver pessoas dentro das igrejas que vivem somente maquinando meios para destruir a obra de Deus. Muitos destruindo relacionamentos, outros tentando derrubar ministérios. A Palavra de Deus nos orienta a vivermos para o bem.  O verdadeiro servo de Deus precisa ter em seu coração a disposição de fazer o bem.
Uma pessoa realmente transformada pelo poder de Deus, justificada pela fé, que é o tema central desta, se torna alguém que vive em direção à prática do bem. A prática do bem de alguém transformado não é baseada no deseja que ela tem de ser salva. Ao contrário, ela sabe que não merece, todavia foi resgatada pela graça de Deus e vive em direção ao bem não buscando méritos, mas pelo simples fato de ser grato pela salvação outorgada na cruz.

b)    São símplices no mal (v. 19)


Agora Paulo mostra que aqueles que são transformados têm um coração realmente simples. Como simples aqui Paulo nos mostra dois aspectos interessantes. O primeiro ligado a inocência e livre de malícia. Nosso apóstolo quer dizer com isso que o crente em Cristo não precisa usar de artimanhas para obter alguma coisa ou para viver neste mundo. Nossa sinceridade no viver e no pensar deve estar sempre firme em nossa mente.
O segundo sentido que podemos extrair nesta expressão tem haver com santidade. A expressão que Paulo usa era utilizada para descrever um vinho ou metal puro e sem mistura. Aprendemos com isto que para nos mantermos símplices no conceito paulino precisamos ter em mente 3 coisas:
i)          Não viver de forma maliciosa e enganosa;
ii)        Mantermos livre das influências do mundo em nossos corações;
iii)  Procurarmos nos santificar através de uma vida realmente separada das coisas maléficas deste mundo.

A igreja não pode ser um lugar recheado de maldade e de engano. Ela precisa ser um ambiente onde impere a sinceridade e se faça realmente a vontade de Deus. Isto só será possível quando realmente tivermos pessoas realmente obedientes dentro do conceito Cristão.
A primeira grande obediência que precisamos ter é para com a Cruz de Cristo. Ninguém pode dizer que obedece a Deus se não aceita o sacrifício de Cristo após arrepender-se de seus pecados e confessá-los. Só se será obediente no nível que Paulo aqui afirma quando realmente for transformado pela obra de Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário