segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

UM LOUVOR PELA GRAÇA – PARTE 1

A humildade de Maria

Lucas 1:46-55
46 Disse, então, Maria: A minha alma engrandece ao Senhor,
47 e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador,
48 porque atentou na humildade de sua serva; pois eis que, desde agora, todas as gerações me chamarão bem-aventurada.
49 Porque me fez grandes coisas o Poderoso; e Santo é o seu nome.
50 E a sua misericórdia é de geração em geração sobre os que o temem.
51 Com o seu braço, agiu valorosamente, dissipou os soberbos no pensamento de seu coração,
52 depôs dos tronos os poderosos e elevou os humildes;
53 encheu de bens os famintos, despediu vazios os ricos,
54 e auxiliou a Israel, seu servo, recordando-se da sua misericórdia.
55 (como falou a nossos pais) para com Abraão e sua posteridade, para sempre.
Depois de receber a notícia que seria a mãe do Verbo de Deus, Maria se dirige às montanhas para se encontrar com sua prima, Isabel. Após o encontro as duas se alegram muito e nos dão exemplos maravilhosos da verdadeira comunhão entre os santos de Deus.
A criança no ventre de Isabel salta de alegria, sua mãe é cheia do Espírito Santo e daí por diante o que se vê é tudo fruto da ação do Espírito que começou desde o anúncio do nascimento de João, passando pelo anúncio do nascimento do próprio Cristo. Ambas as mulheres foram agraciadas por Deus e por isto podiam estar felizes em seus corações. Maria, então, passa a expressar um louvor de gratidão que demonstra o quanto devemos ser gratos pela graça de Deus derramada sobre nós.
Neste louvor de Maria aprendemos algumas lições que passamos a compartilhar nos próximos dos sermões. O primeiro consiste em Maria se colocando em seu devido lugar. Não sendo tudo isso que muitos dizem que ela, mas sendo apenas uma mulher agraciada por Deus. Este que passaremos a descrever a partir de agora.

1. Nosso louvor deve ser para engrandecimento de Deus (v. 46, 47)

“ Disse, então, Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador”
Maria não cantava nada que centrava em si mesma atenção. Ela não se preocupou em descrever primeiramente os cuidados de Deus sobre as coisas desta vida. De forma alguma. A primeira preocupação de Maria foi com a exaltação do nome de Deus.
Certo pastor amigo meu disse que durante semanas orou junto com uma família pela cura de seu filho. Certo dia ele chegou naquela casa, cheia de um ar de sofrimento e dor, e disse: “Vocês já experimentaram orar engrandecendo a Deus e agradecendo pela vida dele?”. Aquela família a princípio achou horrível ideia do pastor. Ele, com muita paciência e amor, mostrou nas Escrituras que nossa oração deve iniciar com engrandecimento a Deus. Que nosso louvor deve buscar sempre exaltar a Deus. A família passou a orar daquela e forma e o ambiente da casa foi ficando cada vez melhor. A tristeza deu lugar esperança. As lágrimas foram substituídas por momentos de alegrias. Mas alguns dias e o filho daquela família se recuperaram. O regozijo foi enorme, mas eles já estavam consolados pela presença do Espírito Santo em suas vidas.
Muitos hinos e cânticos atuais buscam enaltecer apenas o próprio homem. Quando enaltecem a Deus limitam-se apenas a questões humanas ou materiais. Maria teve a preocupação de exaltar a Deus pelo que é. Isto é fantástico!
Meu amado, ou minha amada, será que sua oração ou seu louvor não estão repletos de egoísmo e egocentrismo? Será que não está na hora de você colocar Deus realmente em primeiro lugar em sua vida e passar a exaltá-lo mais? Jesus afirmou que devemos colocar em primeiro lugar o reino dos céus e sua justiça e as outras coisas serão acrescentadas (Mt 6:33). Será que hoje não estamos buscando demais “as outras coisas”?

2. Nosso louvor deve expressar a alegria pela nossa salvação (v. 47)

“e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador”

Mais uma vez fica latente que Maria era uma pecadora como qualquer outra pessoa. Ela chama a Deus de “meu Salvador”. Antes de qualquer coisa Deus deve ser nosso salvador. Antes de sermos agradecidos por qualquer cura, bens matérias, ou quaisquer outras coisas, devemos ser agradecidos pela nossa salvação.
O principal objetivo de Cristo no mundo é e foi salvar a humanidade perdida. Jesus veio a este mundo para “buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 19:10). Jesus veio para que nossa vida se tornasse cheia de vida (Jo 10:10), mas não uma vida qualquer, mas vida eterna (Jo 5:24,25).
Nosso louvor deve mostrar nossa alegria da salvação. Ele deve mostrar nossa gratidão pelo céu alcançado, mesmo ainda na terra. Somos salvos por Deus e por sua graça, mediante a obra redentora de Cristo. Devemos cantar e agradecer por isto.
Como é triste ver que nossas canções hoje têm se tornado tão humanistas que deixam de lado algo tão precioso, o louvor pela nossa salvação. Como é triste saber que os cristãos não carregam mais em seus corações a certeza de vida eterna. É por isso talvez que não catem mais hinos ou cânticos que agradecem pela salvação. Talvez seja por isso que estamos tão limitados à esta vida quando cantamos a um Deus tão tremendo e santo.
Deixemos de lado o louvor a nós mesmos e aos nossos interesses e louvemos a Deus pela nossa salvação; pela redenção que nos é dada através da Cruz do Calvário. Na cruz Jesus levou nossos pecados e esta é nossa situação diante dEle.

3. Nosso louvor deve mostrar nossa situação diante de Deus (v. 48 )

“porque atentou na humildade de sua serva; pois eis que, desde agora, todas as gerações me chamarão bem-aventurada.”

Maria mais uma vez mostra toda sua humanidade e falibilidade. Maria usa uma expressão aqui que mostra toda sua insignificância e culpa diante de Deus. Ela sabia que não passava de uma pecadora. Como diz o profeta Isaias: “Bichinho de Jacó” (Is 41:14).
Muitos tentam dar a Maria um status que ela não teve. Ela nunca foi perfeita; nunca deixou de pecar; nunca ascendeu aos céus de uma forma especial. Ela foi uma mulher que, através da graça, recebeu uma dádiva do céu. Mas ela sabia bem que ela era.
Muitos se acham grande demais. Muitos tentam se colocar como sofredores e merecedores de misericórdia pelo seu grande sofrimento. Maria, apesar de ser a bem aventurada, sabia que não passava de uma pecadora diante de Deus.
A primeira coisa que o homem precisa fazer para ser alcançado pela graça de Deus é se reconhecer pecador. É reconhecer que precisa de Deus para a salvação de sua alma. Maria engrandece a Deus e reconhece sua situação.
Insignificância e culpa; eis aí duas coisas que são fundamentais quando nos aproximamos de Deus. Isaías sabia bem disso. Quando ele está perante o trono da glória de Deus treme diante da santidade e da majestade de Deus, mas do que isto, ele treme por se lembrar quem ele era; um homem impuro (Is 6:1-6).
Meu amado, ou minha amada, talvez você esteja me acompanhando nesta série de reflexões, mas não parou para pensar que nosso único merecimento é o castigo eterno. Você não parou para pensar que precisa olhar para sua insignificância e culpa, depositando-as aos pés da cruz e confiando que Jesus transforma seu ser e seu coração para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário