segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

FERINDO O CORAÇÃO DE DEUS


Oseias 7:1-7


Até então Deus estava mandando juízo a todos, mas cobrava mais dos líderes da nação. Agora ele passa a mostrar que o povo colabora com o pecado, não apenas porque aceita, mas porque pratica.

Durante o ministério de Oseias quatro reis foram mortos em Israel (Zacarias, Salum, Pecaías e Peca – II Re 15:10-30). Este fato mostra o quanto o pecado tinha penetrado no meio do povo. Nenhum destes reis fez o que era reto aos olhos de Deus, mas não é através de pecado que se resolve outro pecado. Deus não aprova a violência, mesmo em casos como estes, onde os reis não fizeram o que era reto aos olhos do Deus.


Deus mostra mais uma vez tristeza pela postura do povo. Mais uma vez o adultério espiritual de Israel é colocado diante do povo para que possam repensar suas vidas.


1.    O pecado de alguns prejudica a todos (v. 1)


“Quando eu tento curar Israel, o mal de Efraim fica exposto e os crimes de Samaria são revelados.” (NVI)



Muitas pessoas querem lançar sempre a culpa quando algo não vai bem na igreja, sobre o pastor ou sobre as estratégias utilizadas. É óbvio que de fato isso também ocorre. Mas há momentos em que os motivos reais da falta de um avivamento verdadeiro encontra-se no fato de haver pecado no meio do povo de Deus. Antes de se cobrar do pastor ou da liderança deve-se cobrar de si mesmo. Jeremias escreve um dos textos que mais me chocam na leitura das Escrituras:

“Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra: os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam pelas mãos deles, e o meu povo assim o deseja; e que fareis no fim disso?” (Jr 5:30;31)


O que me choca neste texto é que o povo gosta da situação. Logo, afirmar que o problema de uma igreja ou grupo está em seu líder é simplório. Às vezes é preciso fazer uma análise bem mais ampla. Quando Israel perdeu a batalha contra Ai, muitos pensaram que o problema podia estar em Josué, mas não, estava no meio do povo.

Uma das coisas que percebi no ministério é que as pessoas que normalmente mais cobram, com raras exceções, são aquelas que mais tem a vida torta diante de Deus. São adúlteros e fornicadores que cobram amor da igreja ou do pastor, mas não procuram de fato se arrepender de seus pecados de forma verdadeira e honesta. Que não se quebrantam diante da congregação reconhecendo que falharam com Deus e trouxeram grandes consequências ao Seu povo. São não dizimistas que cobram que a igreja precisa investir mais nisto ou naquilo, mas sempre arrumam uma desculpa, às vezes até supostamente bíblica, para não entregar o dízimo.

Não posso julgar o arrependimento de ninguém, mas João Batista falando para os fariseus afirma que eles deviam produzir frutos dignos do arrependimento. Isto é algo que não temos visto. Alguém realmente arrependido não sai por aí denegrindo a imagem da Igreja ou dos líderes. Acaba incorrendo em outro pecado: a maledicência. É um abismo chamando outro abismo. Quando se faz estas coisas, todos são prejudicados. Quando Acã roubou os despojos que não eram para serem tirados, ele levou as consequências de seu pecado para todo povo.

Talvez amado sua igreja não vai bem porque o seu pecado tem atrapalhado o desenvolvimento. Talvez a igreja no Brasil não vai bem porque seu pecado está atrapalhando.



2.    O pecado se sobressai aos olhos Deus mais do que nossa bondade (v. 1)


“Quando tento curar o povo de Israel e fazê-lo ficar rico de novo, a única coisa que vejo são os seus pecados e a sua maldade.” (Novo Testamento na Linguagem de Hoje)



A expressão que é traduzida como “se descobre”, retrata algo que sobressai, por isso a NTLH traduz como “a única coisa que vejo”. Devemos comparar nossa santidade com um lençol branco pendurado para secar ao sol. Qualquer mancha, por menor que seja, pode ser vista e parece sujar todo lençol.

Conheço pessoas que são extremamente ativistas nas igrejas. Algumas são capazes de fazer de tudo para realizarem a obra, mas suas vidas são sujas pelo pecado. Davi fez mais coisas boas do que más. Todavia quando cometeu um pecado este se sobressaiu mais do que qualquer ato bom que ele tivesse feito.

Há pessoas que se vangloriam por sua fidelidade no dízimo ou no ministério que lhes foi conferido, mas não se arrependem dos seus pecados, e pior, continuam deliberadamente pecando. Por maior que seja seu ministério, ainda assim seus pecados se sobressaem mais.

João, escrevendo sua primeira epístola, afirma que todos nós continuamos a pecar. Mesmo aqueles que foram transformados, pela obra regeneradora de Cristo, ainda pecam. O apóstolo mostra que se dissermos que não temos pecado estamos enganando a nós mesmos e chamando Deus de mentiroso, porém João mostra uma solução maravilhosa: o arrependimento (I Jo 1:8-2:2). Não obstante ao arrependimento, João continua sua epístola mostrando que não devemos pecar.  O arrependimento nos purifica, mas é a obediência que nos faz crescer diante de Deus.


3.    O pecado nos faz tratar Deus levianamente (v. 2)

“Eles pensam que eu esqueço todos os seus pecados. Estão rodeados pelas suas maldades, e não posso deixar de vê-las.”


O fato de pensar que Deus não se lembra do seu pecado, ou que não vê o seu pecado é um tratamento imprudente e leviano diante de um Deus onipotente, onipresente e onisciente. Não é à toa que os profetas Isaias e Oseias destacam a falta de conhecimento como sendo uma das grandes causas do pecado.

Entendo como leviano o fato de agir sem refletir que afinal Deus sabe todas as coisas. Que por mais que tentemos esconder das pessoas não esconderemos de Deus. José no Egito mostra que entende isto perfeitamente. Ele podia ter um caso com a mulher de potifar e ficar quieto que ninguém saberia, mas ele sabia que Deus conhecia seus atos.

Davi, escrevendo o Salmo 139, mostra que também sabia disso. Ele afirma que não tem lugar aonde se esconder do Espírito de Deus. Na maior das profundezas ou na maior das alturas, Deus se faz presente. Não é possível se esconder de Deus. Em outro salmo o que vemos é que o melhor lugar para nos escondermos é no esconderijo do Altíssimo e descansarmos em seu poder.

Quando Deus afirma “pensam que esqueço de todos os seus pecados”, está mostrando sua tristeza e indignação ante ao desconhecimento do seu povo. O coração de Deus se mostra ferido e machucado com o comportamento leviano do povo de Deus.

O remédio para tudo isto é o arrependimento sincero e a mudança de atitude. Deve se ter em mente o poder imenso desse Deus maravilhoso. Deve se ter em mente que ele se faz presente em qualquer lugar e que seu coração se entristece com o pecado no meio do seu povo.


2 comentários:

  1. Muito bom o sermão, pastor. Fugir do pecado é uma luta diária. No entanto, o mais importante é ter consciência de que apesar de termos aceitado a Jesus somos falhos e cheios de podres. Não podemos usar máscaras de santos, devemos ser santos como Ele foi e mostrar humildade para aceitar os erros e corrigi-los com a ajuda de Deus.

    ResponderExcluir
  2. a partir do momento que compreendermos definitivamente , que nossos atos ,não só prejudica o homem , mas a DEUS , deixaremos de oculta nossas maldades , pois elas não mas existirão,e assim viveremos o genuíno avivamento.

    ResponderExcluir