segunda-feira, 8 de abril de 2013

UMA FALSA RELIGIOSIDADE



ASPECTOS E CARACTERÍSTICAS

Oseias 9:1-10

Que situação embaraçosa para o profeta. Deus chamando atenção do povo através da instrumentalidade de Oseias, mas o povo vivendo de uma forma como se nada tivesse acontecendo. O povo achava que sua religiosidade estava sendo aceita por Deus, mas este está com o coração endurecido diante da infidelidade daquele.
Deus faz um paralelo do Egito com a Assíria. Oseias mostra que os profetas se tornaram coniventes com os pecados do povo (v. 7). Ele compara o comportamento do povo com os gibionitas que estupraram a concubina de um sacerdote durante toda noite levando-a a morte (Jz 19).
Deus abomina a falsa religiosidade e devemos nos vigiar para que não deixemos que ela entre em nossas vidas. Podemos ver nestes versículos aspectos e características da falsa religiosidade.


1.    Alegra-se com o pecado (v. 1,2 )

“1 Não te alegres, ó Israel, até saltar, como os povos; porque te foste do teu Deus como uma meretriz; amaste a paga sobre todas as eiras de trigo.”
“ 2 A eira e o lagar não os manterão; e o mosto lhes faltará.”

Israel não cumpria os ritos estabelecidos na lei para agradecer a colheita, antes, alegrava-se em festas pagãs como se os deuses pagãos fossem responsáveis pela abundância da safra. Israel sentia alegria com o pecado que praticava.
Quantos hoje afirmam que são cristãos, mas se alegram como a fornicação, com o adultério, com o homossexualismo. São coisas que acham normais, mas a mão de Deus está preparada para disciplinar o seu povo.
O prazer com o pecado deve acabar no meio do povo de Deus. É preciso entender que Deus chamou seu povo para uma vida de santidade (Lv 20:7; I Pe 1:15,16). A alegria com o pecado gera tristeza no coração de Deus.
O Senhor chama atenção do seu povo para que este não sinta alegria em pecar. O pecado precisa ser combatido no meio do povo de Deus. Quando nos alegramos com o pecado estamos nos comportando como à adúltera que sente prazer em deitar-se com o outro homem. Que se alegra em trair seu marido e se alegra entregando seu corpo para outro. Quando nos alegramos com o pecado fazemos exatamente isto. 
Amado, talvez sua vida esteja repleta de pecados que você ache normal. Talvez seu comportamento esteja repleto de atitudes que desagradem a Deus, mas você se alegra com elas. Precisamos voltar à Palavra de Deus para que possamos saber qual seja, boa, perfeita e agradável vontade de Deus para nossas vidas, sem, no entanto, moldar-nos a este mundo (Rm 12:1,2).

2.    Não dá ouvidos aos verdadeiros profetas (v. 8, 9)

“8 Efraim era vigia junto com o meu Deus, mas o profeta é como um laço de caçador de aves em todos os seus caminhos, um inimigo na casa do seu Deus.”
“ 9 Mui profundamente se corromperam, como nos dias de Gibeá. Ele lembrar-se-á das suas injustiças, visitará os pecados deles.”

Eis um problema bem atual. Oseias volta a chamar atenção do povo que estava dando ouvidos a falsos profetas. Ele chama os profetas de inimigos de Deus. Qualquer que se dispõe a proclamar os oráculos de Deus, mas não o faz de forma íntegra, torna-se um inimigo de Deus. Qualquer um que distorça a Palavra de Deus somente para garantir seu sustento ou simplesmente para agradar o povo torna-se um inimigo de Deus.
Neste ponto Oseias usa a ilustração mais pesada de sua profecia. Ele se lembra do estupro coletivo que sofrera a concubina de um sacerdote. A história é interessante e trágica, pois começa com o casamento e o adultério da mulher. Seu marido, por amor, vai busca-la na casa do seu pai, mas vem terceiros e abusam dela até que ela morre. Vejo aqui Deus lembrando que ele paga um preço caro para nos resgatar dos nossos pecados, e falsos profetas abusam da esposa do Senhor.
Quando se levantam pessoas que pregam mentiras, que enganam o povo de Deus, isto é comparado àquele triste dia para o levita e para sua mulher.
Muitos falsos mestres podem estar matando a esposa do Senhor com a força com que a violentam. Ainda bem que há uma promessa na Palavra de Deus que as portas do inferno não vão prevalecer contra a Igreja verdadeira. Mas ainda assim ela sairá machucada. É a ferida no calcanhar profetizada desde o Éden (Gn 3:15).
Porém, o mais triste para Oseias, é que o povo gostava daquela situação. Assim como muitos preferem dar ouvidos a pregações que fazem coceiras em seus ouvidos. Dão ouvidos a promessas de riqueza, prosperidade e cura, mas se esquecem de anunciar a maior das curas, a da alma, e a maior das riquezas, o reino dos céus.

3.     Entrega-se completamente à idolatria (v. 10)

“Achei Israel como uvas no deserto, vi a vossos pais como a fruta temporã da figueira no seu princípio; mas eles foram para Baal-Peor, e se consagraram a essa coisa vergonhosa, e se tornaram abomináveis como aquilo que amaram.”

O cume do afastamento do Senhor é a idolatria. Ela pode se manifestar de muitas maneiras. No caso de Israel, descrito por Oseias, ela se manifesta na forma como a nação migrou para a adoração ao Deus pagão Baal. Baal era o deus da fertilidade, e os israelitas passavam a agradecer a ele pela colheita.
Há tantos que se dizem cristãos pelo mundo afora que preferem agradecer a seus padroeiros, mas não se curvam ante o senhorio do Cristo. Tantos que colocam Maria como sua medianeira, quando a Palavra é clara em dizer que só há um mediador. Como é triste ver que o cristianismo de tantos é estabelecido através de uma idolatria desenfreada e longe da vontade de Deus.
Há outros ainda que idolatram a matéria ou o dinheiro. Colocam Deus em segundo plano e buscam somente a felicidade nesta vida. Têm seus egos e desejos alimentados por homens que são apenas mercenários e não pastores.
São os teólogos da prosperidade que levam o povo a acreditar em mentiras e viver para ela. Mas por outro lado o povo gosta de ser enganado por esses falsos mestres. Como é triste saber que a profecia de Jeremias pode estar viva ainda hoje em nosso meio:

“Coisa espantosa e horrenda se anda fazendo na terra: os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam de mãos dadas com eles; e é o que deseja o meu povo. Porém que fareis quando estas coisas chegarem ao seu fim?” (Jr 5:30,31)

É a idolatria a homens de Deus e não ao Deus dos homens, quando se coloca as palavras de meros mortais no mesmo pé de igualdade aos escritos divinos estamos mostrando que idolatramos homens e não a Deus.
Devemos nos policiar para não permitirmos que caiamos neste mesmo erro. O primeiro grande mandamento do Senhor é: “Não terás outros deuses além de mim”. Que possamos viver de forma tal que Deus seja o único em nossas vidas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário