terça-feira, 21 de maio de 2013

O CORDEIRO DE DEUS



João 1:29-34



29 No dia seguinte, João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
30 Este é aquele do qual eu disse: após mim vem um homem que foi antes de mim, porque era primeiro do que eu.
31 E eu não o conhecia, mas, para que ele fosse manifestado a Israel, vim eu, por isso, batizando com água.
32 E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como uma pomba e repousar sobre ele.
33 E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo.
34 E eu vi e tenho testificado que este é o Filho de Deus.

João, o evangelista, mantem seu foco no outro João, o batista. Mas agora ele sai do testemunho de vida e passa a mostrar o testemunho com as palavras que esse grande homem de Deus nos dá.
Esse primeiro encontro narrado entre João e seu primo mais famoso se dá um dia após ele ser testado pelos fariseus sobre quem ele era. Agora ele tem a oportunidade de mostrar o lado prático daquilo que ele estava fazendo, ou seja, apontar para o Messias esperado, para o profeta aguardado e para a manifestação de Deus entre os homens. Não nos é apresentado o motivo que Jesus e João, mesmo sendo primos e suas mães serem tão amigas, ainda não se conheciam. Tudo indica que a fuga de Cristo para o Egito e mais tarde sua ida para Nazaré, somado ao fato que João cedo se retirara para o deserto, os impede de se conhecerem. Mas esta não é a preocupação do texto em questão.

Ele chama Jesus de “o Cordeiro de Deus”. Esta expressão tem em si todo simbolismo dos animais sacrificados no Antigo Testamento. Paulo e o autor aos hebreus afirmam que aquelas coisas representavam a sombra das que viriam (Cl 2:17; Hb 8:4,5; 10:1). O cordeiro é o grande símbolo daqueles sacrifícios. Embora outros animais fossem usados, o cordeiro entra em cena pois simboliza a postura de Cristo diante de seu sofrimento. Isaias 53 é o texto que mais explica a ideia aqui representada por esta expressão de João. No texto profético vemos Deus mostrando que o Messias iria para o sacrifício como uma ovelha que vai para o matadouro. Iremos navegar por alguns textos vétero-testamentários para mostrar o que João estava tentando dizer.
O cordeiro de Deus veio ao mundo para ...

1.   ...tirar o pecado (v. 29)

“No dia seguinte, João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.”

Aqui lembramos de 2 textos: Levítico 16 e novamente Isaias 53. No primeiro, Moisés, através da revelação de Deus, mostra o princípio da propiciação e da expiação, isto é, a ideia do aplacar a ira de Deus e do pagamento de nossos pecados. O primeiro bode seria sacrificado, após espargir o sangue no altar do propiciatório. Ele é chamado de bode da expiação ou o bode expiatório. É aquele que representa Cristo tomando nosso lugar diante da ira de Deus que seria aplacada pelo seu sacrifício (Lv 16:15-17).
O segundo bode é colocado ante o sacerdote que ora a Deus pedindo perdão pelos pecados dele e do povo e em seguida um homem deve levar o bode para fora do arraial para que o animal possa levar sobre si os nossos pecados (Lv 16:22). Dessa forma ele tira o pecado do meio do povo de Deus.
Ambos os bodes representam Jesus. Ambos representam o sacrifício feito pelo filho de Deus para tirar o pecado do mundo. Essa é a ideia implícita em Isaias 53 quando afirma que ele levou sobre si a nossa iniquidade e o castigo que nos traz a paz estava sobre. Alguns acreditam que o segundo bode representa o Diabo. Mas chega ser um erro grosseiro considerando tudo que é dito sobre tirar o pecado e carregar o pecado na Bíblia sagrada. Sem falar que o Diabo não carrega o pecado de ninguém, uma vez que ele é o nosso acusador.
Jesus é o cordeiro de Deus que veio para retirar o pecado daqueles que aceitam o seu sacrifício. Ele se entrega por todos, para salvar alguns. João afirma que Ele é a propiciação dos nossos pecados e também do mundo (II Jo 2:2). Não quer dizer que todos serão salvos, mas quer dizer que todos têm a oportunidade de se reconhecerem pecadores diante de Deus e serem aceitos como seus filhos se aceitarem o sacrifício de Jesus. Esse é o passo que você pode dar agora, caso ainda não tenha feito.

2.   ...manifestar a obra dos céus (v. 32)

“E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como uma pomba e repousar sobre ele.”

Jesus representa a obra perfeita de Deus. Voltando a Isaias 53 vemos que foi do prazer de Deus fazê-lo enfermar e sofrer para que o fruto do seu trabalho gerasse alegria no coração de Deus.
A grande obra de Deus é a salvação do homem pecador, sem merecimento algum para se tornar de novo a imagem de Deus, sem mancha. Esta obra tem início na cruz, mas ela é anunciada desde os tempos remotos. Agora, através da descida do Espírito Santo, Deus confirma sua grande obra. É o início da jornada daquele que se tornaria o salvador do mundo. Daquele que, através de sua obra perfeita na cruz, manifestaria a glória de Deus, glorificando o Pai e sendo glorificado por Ele.
A descida do Espírito Santo aqui representa a grande manifestação de Deus através de Cristo Jesus. Nosso Mestre veio para manifestar a glória de Deus e para que nós fôssemos alcançados pelo seu imenso amor e graça. 

A manifestação da glória de Deus na pessoa de Cristo comprova outro texto importante de Isaias:

“O Espírito do Senhor Jeová está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos e a abertura de prisão aos presos;  a apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes;  a ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê ornamento por cinza, óleo de gozo por tristeza, veste de louvor por espírito angustiado, a fim de que se chamem árvores de justiça, plantação do Senhor, para que ele seja glorificado.” (Is 61:1-6)


Observe bem o grifo no final da citação. Toda obra de Jesus através do Espírito Santo é para que Deus seja glorificado. É para que os céus possam realmente manifestar a glória de Deus. O contexto do supracitado texto começa no arrependimento através do clamor lá no capítulo 58:8 e 9. Todo desfecho da glória de Deus através do Messias ocorrerá para aqueles que aceitarem o sacrifício de Cristo. Todavia, mesmo para os que não aceitam, Deus será glorificado através da obra do Cristo. É exatamente isto que Paulo diz em II Coríntios 2:15:

“Porque para Deus somos o bom cheiro de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem.”

Meu amado, ou amada, se você realmente aceitar a obra de Cristo em sua vida receberá dentro de você o Espírito Santo de Deus que manifestará a obra de Deus em seu coração e em sua vida. Aceite hoje a Jesus, através da confissão dos pecados, de um arrependimento sincero e do Seu senhorio sobre sua vida.
Hoje o Espírito pode entrar na sua vida se Jesus entrar em seu coração.

3.    ...batizar com o Espírito Santo (v. 33)

“...esse é o que batiza com o Espírito Santo.”



O Espírito Santo está presente em muitos momentos importantes narrados nas Escrituras. Em Gênesis ele está presente na criação. Parece incubar o mundo para que a vida apareça. Ele aqui simboliza a grande manifestação de Deus para a humanidade. Jesus era o resplendor exato da glória de Deus (Hb 1:3). Ele carrega a imagem exata de Deus (Hb 1:4). Nós somos a imagem distorcida pelo pecado, Jesus é a imagem perfeita de Deus, sem mancha ou falha alguma.
O Espírito é o agente comprobatório da obra dos céus. É ele que haverá de convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16:8). É ele que haverá de guiar o homem pelas veredas da justiça e garantir a salvação através do selo de sua presença.
Quando se aceita a obra de Cristo na Cruz, mediante a ação do Espírito, é-se automaticamente batizado com o Espírito Santo. Embora alguns grupos insistam em afirmar que o Batismo com o Espírito Santo é uma experiência à parte da conversão, a Bíblia mostra claramente que não.
No sermão “Os Frutos do Arrependimento”, mostramos que Jesus será aquele que batizará a todos, uns com o Espírito, os salvos, e outros com fogo, os não salvos. Observe que no texto usado naquele sermão (Lc 3:8-17), não há outra categoria, ou seja, os não batizados porém salvos. Além disso Paulo deixa claro aos coríntios que “todos nós fomos batizados em um Espírito”. E Paulo completa a ideia dizendo que é este batismo que forma o corpo de Cristo. Ora, se o batismo que forma o corpo, significa que todo aquele que faz parte do corpo tem que ser batizado, consequentemente os que não foram, não fazem parte do corpo.
Feita esta explicação, voltemos ao texto em questão. João mostra neste texto, que na realidade é paralelo daquele de Lucas, que Jesus é quem vai batizar com o Espírito. Isto ocorre da mesma maneira que nos tornamos filhos (Jo 1:12), ou seja, precisamos crer em seu Nome e aceitá-lo como Salvador de nossas vidas.
Ao ser batizado pelo Espírito Santo, você é selado por Ele para a vida eterna. Veja o que Paulo diz:

“com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que primeiro esperamos em Cristo; em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para louvor da sua glória.” (Ef 1:12-14)


Paulo chama atenção que os judeus que criam no Messias são os primeiros a serem salvos, mas aqueles que ouvem a palavra da verdade, e a aceitam, são selados pelo Espírito Santo, tornando-se este o penhor de nossa herança, ou seja de nossa salvação.
Hoje você também está diante da Palavra da Verdade. Hoje você está ganhando uma oportunidade de aceitar a Cristo em seu coração como Senhor e Salvador, após confissão e arrependimento sincero. Faça isto agora. Se já fez, console-se na esperança do Espírito em sua vida confiando inteiramente na obra do Cordeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário