sábado, 8 de junho de 2013

A REALIDADE DA TENTAÇÃO



Mateus 4:1-11 (Lc 4:1-13; Mc 1:12, 13)



1 Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.
2 e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;
3 E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.
4 Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.
5 Então o diabo o transportou à Cidade Santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo,
6 e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra.
7 Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus.
8 Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles.
9 E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.
10 Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás.
11 Então, o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos e o serviram.

O ser humano caiu em tentação pela primeira vez no Éden. Eva sucumbiu às Palavras da serpente e Adão por sua vez às de Eva. A tentação é algo que faz parte de nossas vidas. Todos nós somos tentados em alguma coisa, quer seja boa ou não. Algumas tentações são mais perigosas que outras.
No texto em questão, após o seu batismo, Jesus foi levado para o deserto para ser tentado. Ele acabara de se batizar e estava iniciando seu ministério na terra. É algo muito normal que quando iniciamos uma obra para Deus somos desestimulados e levados a tentar desistir. Muitas e muitas vezes problemas se levantam quando iniciamos a nossa vida cristã como uma maneira de nos testar e nos levar a conhecer melhor a Deus.

Nos próximos sermões estaremos trabalhando com este assunto tão delicado, a tentação. Neste primeiro trabalharemos com a realidade dela. Hoje é muito comum, principalmente com a influência da teologia da prosperidade, alguns acharem que a tentação é algo que não pode existir. De fato muitas tentações são frutos de nosso pecado, mas muitas vezes não é isto que ocorre. A prova disto é que a Bíblia afirma que Jesus em tudo foi tentado, mas não pecou.
Tentação e provação na Bíblia podem ser sinônimas. Em Tiago, por exemplo, o irmão de Jesus afirma que seremos provados através de tentação. Logo, muitas vezes a tentação é a própria provação. Alguns acreditam que a grande diferença talvez fique na forma que ocorre. Normalmente a tentação vem em forma de um pecado relativo à carne, enquanto que provas podem ocorrer dentro do âmbito da fé. Particularmente não vejo muita diferença. Quando se está diante de um dilema como os membros da igreja primitiva de se manter fiel, ou negar a fé, para mim isto também é uma espécie de tentação. Logo, tentado e provado, é a mesma coisa.
Outra coisa interessante neste texto é a figura do deserto. Jesus simboliza o povo de Deus que foi tentado no deserto, mas infelizmente a grande maioria sucumbiu à tentação. Muitos foram os que negaram a fé e a confiança e assim não tiveram o privilégio de entrar na Terra Prometida. A peregrinação de Cristo é um símbolo de nossa peregrinação nesta vida. Não podemos sucumbir às tentações que nos são oferecidas. Não podemos nos deixar levar pelos manjares deste mundo.
Dito isso, passemos a analisar a realidade da tentação em nossas vidas tomando como base esse texto riquíssimo da Palavra de Deus.

1.   Ocorre mesmo quando em comunhão com Deus (Lc 4:1)

“E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto.”

Jesus estava cheio do Espírito Santo. Embora o Novo Testamento não estivesse fechado ainda, podemos dizer com segurança que o termo aqui utilizado dá a mesma ideia do restante do Novo Pacto. Estar cheio do Espírito Santo implica em ter uma vida na presença de Deus. Jesus estava na presença de Deus quando foi levado para a tentação.
Alguns afirmam que quando estamos na presença de Deus não somos tentados. Sinto muito em discordar. A Bíblia é clara que muitos homens de Deus estavam na presença de Deus quando sofreram muitas provações. O que dizer, por exemplo, de Daniel e seus amigos? Eles estavam na presença de Deus quando veio sobre Judá o cativeiro. Eles estavam na presença de Deus quando vieram as tentações sobre suas vidas no Império Babilônico.
O que dizer de Jó? O próprio Deus o chama de homem justo. Mas sobre ele recai uma grande prova de sua fé e em nenhum momento esta foi abalada.
Amado, talvez você ouça hoje muitos que pregam a teologia dos amigos de Jó. Eles queriam colocar a culpa em Jó por tudo que estava ocorrendo com ele, mas a Bíblia mostra que Deus não aceitou as palavras destes mesmos amigos e os fez reconhecerem seus pecados diante de dEle e de Jó.
Talvez você ache que sua vida está um caos e você não sente esperança. Talvez você questione o cristianismo porquanto de tantos problemas que tem passado. Mas Deus, com certeza sabe de tudo, e mais; Ele sabe que você é capaz de suportar. Esta é a promessa de Deus em sua Palavra.

“Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis; antes, com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.” (I Co 10:13)

Veja bem o que Paulo afirma. A tentação é uma questão humana, mas Deus nunca nos permite ser provados além de nossas forças. Isaias sabia bem disso, e afirma que aqueles que esperam no Senhor renovam suas forças (Is 40:31).
Porém, mas do que nos capacitar, Deus permite e até nos lança provas sobre nossas vidas.

2.   É permitida por Deus e operado pelo Diabo (v. 1)

“Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.”

Este é um ponto muito interessante no qual os humanistas e teólogos da prosperidade, entre outras, deveriam prestar atenção. A Bíblia afirma que Jesus foi conduzido ao deserto para ser tentado. Marcos, apesar de não entrar nos detalhes da peregrinação de Cristo, ele usa uma expressão muito forte para a ideia de conduzido. Ele afirma que Jesus foi levado à força, ou seja, o Mestre não teve opção alguma diante de tudo isso.
Muitas vezes somos provados por Deus para que possamos servir de modelo. Como foi o caso de Abraão, quando o Senhor lhe pediu seu filho. Tal atitude do patriarca o levou ao patamar elevado de o pai da fé.
Outras vezes somos levados à tentação como prova de disciplina. Como foi o caso de Jacó com seu pecado de enganar seu pai, bem como seu irmão por duas vezes, ele pagou caro por isso e foi testado através de seu sogro.
Outras vezes ainda somos provados apenas para nos manter dentro do caminho que Deus estabelecera para nós. Como foi o caso de Paulo quando por três vezes orou para que Deus lhe tirasse um espinho na carne, mas não lhe foi permitido para que ele não se tornasse uma pessoa soberba (II Co 12:7). Nesse texto Paulo deixa claro que quem fazia isso era um mensageiro de Satanás. O Diabo opera em nossas vidas, permitido por Deus, para que possamos crescer cada vez mais, ou, como no caso de Paulo, mantermo-nos em posição de humildade.
Precisamos entender que Deus faz tudo isto para nosso próprio bem. Ele faz tudo isto como prova de seu amor e cuidado por nós, pois quer que nos santifiquemos mais e mais em Sua grandiosa presença.
Por outro lado, não podemos deixar de vigiar, pois a tentação vem quando menos esperamos e opera em nossas fraquezas.


3.   Aproveita-se de nossas fraquezas (v. 2)

“e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome

Após o longo período de jejum e oração o corpo de Cristo começa a sentir. Ele era 100% homem, logo, sentia necessidades como qualquer outra pessoa. Ele teve fome. O Diabo observava Jesus como seus anjos hoje nos observam. Ele sabia que essa, naquele momento, era a fraqueza de nosso Mestre.
Muitas vezes é exatamente isto que ocorre. Muitos líderes e ministros que caem em pecado sucumbem exatamente no ponto que estão enfraquecidos. É o ministro que, em virtude de uma crise conjugal, se aproxima daquela mulher que lhe oferece aquilo que sua esposa está deixando a desejar. É o jovem que, cansado do ritmo competitivo da vida, enfraquece seu lado emocional e se afoga na primeira coisa que lhe ofereça alívio, mesmo que seja momentâneo. Enfim, são tantas coisas que podem nos causar fraqueza e nos levar a ser tentados pelo Diabo.
Em sua oração modelo Jesus nos ensina a pedirmos a Deus para nos livrar da tentação (Mt 6:13). Vimos nos pontos anteriores que muitas vezes a tentação vem para que possamos testemunhar ou glorificar a Deus. Mas o problema é que, em virtude de nossas fraquezas, podemos sucumbir. É por isso que precisamos pedir a Deus para nos livrar da tentação.
Em outro momento Jesus nos manda vigiar e orar para não entrarmos em tentação (Mt 26:41). É interessante notar que é neste contexto que Jesus fala de nossa fraqueza. Então devemos estar prontos para a tentação, mas precisamos pedir para que não caiamos nela. 

4.   Vem com ofertas sedutoras (v. 6, 8,9)


Em três momentos o Diabo apresenta a Jesus propostas para balançar o coração do Mestre. Satanás sabia que havia tristeza no coração de Cristo e que provavelmente ele podia sucumbir diante das seduções.
Um dos grandes engodos espirituais que existem é achar que o mal ou o Diabo se apresentam de forma horripilante. Este pensamento é um dos motivos de tantas quedas no pecado. O mal sempre se oferece na forma de uma bela mulher sedutora que é usada por Satanás para levar aquele marido, triste pelo seu casamento, a olhar para ela com outros olhos. O pecado se apresenta como aquela deliciosa bebida ou droga que é oferecida quando se está enfraquecido pela depressão ou pela corrida do cotidiano.
A maior das ofertas sedutoras vem do mundo, Satanás apenas se aproveita e usa. O mundo deseja seduzir o homem com coisas que são para esta vida afastando a criatura dos propósitos do criador. Jesus é a solução para tudo isto. Somente Ele pode resgatar aqueles que desejam vencer as seduções nesta vida.
A grande sedução é o pecado. O pecado sempre será algo atrativo para o homem, por isso precisamos, como Jesus, lutar para vencer a tentação.
Jesus é a grande solução contra a sedução do pecado. Ele é a grande solução para as nossas fraquezas diante do pecado. Você precisa entender isso e aceitar a Cristo como Senhor e Salvador de sua vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário