domingo, 29 de setembro de 2013

UM DIÁLOGO PARA A SALVAÇÃO – parte 2

João 4:19-30

19 Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta.
20 Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar.
21 Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai.
22 Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus.
23 Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem.
24 Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.
25 A mulher disse-lhe: Eu sei que o Messias (que se chama o Cristo) vem; quando ele vier, nos anunciará tudo.
26 Jesus disse-lhe: Eu o sou, eu que falo contigo.
27 E nisso vieram os seus discípulos e maravilharam-se de que estivesse falando com uma mulher; todavia, nenhum lhe disse: Que perguntas? ou: Por que falas com ela?
28 Deixou, pois, a mulher o seu cântaro, e foi à cidade, e disse àqueles homens:
29 Vinde e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito; porventura, não é este o Cristo?
30 Saíram, pois, da cidade e foram ter com ele.

Alguns, por medo de discussão ou por falta de argumentos, afirmam que não devemos discutir religião. Creio que religião deve ser respeitada, mas não quer dizer quer não possamos conversar sobre o assunto.
Quando Jesus encontrou-se com aquela samaritana foi mais do que um encontro entre um homem e uma mulher, mais do que o encontro entre duas raças. Quando Jesus se encontra com aquela mulher é o encontro entre dois grupos que tinham diferentes formas de olhar para Deus e de o servir. A mulher mesmo questiona Jesus quanto a visão religiosa dEle e dos judeus.

Jesus faz questão de mostrar os erros do samaritanos e mostra também que é nEle que se encontra a verdadeira solução para a crise da alma humana. Assim como no diálogo com Nicodemos, mais uma vez Jesus aproveita de assuntos cotidiano para falar de coisas celestiais. Isto deveria servir de lição para nossas vidas. Quantas vezes perdemos a oportunidade de pregar para as pessoas porque ficamos presos a questões institucionais. A pregação pode ser feita com o auxílio da Palavra com a pura exposição da mesma através da contextualização da conversa, da mesma forma que Jesus fez nestes dois diálogos seguidos.
Vimos então no sermão passado que o foco de Jesus mais uma vez é a vida eterna. A salvação é o foco desta conversa de Cristo. Ele mostra para aquela mulher que a salvação tem início no coração de Deus e que este convida a todos para que a conheçam, afinal, a ela é a necessidade primária da alma do ser humano.
Na continuação da conversa Jesus irá mostrar os aspectos que devem ocorrer no indivíduo. Sobre este ponto que iremos focar nossa exposição neste momento.

1.               A salvação ocorre pela fé (v. 19-22)

Jesus faz revelações sobre a vida daquela mulher que a fazem ficar espantada. Ele sabia que ela tivera vários homens e não se casara com nenhum deles. Ao reconhecer que Jesus era profeta ela começa a romper algumas barreiras em seu coração. Mas imediatamente mostra que ainda não tinha compreendido o Jesus estava de fato dizendo. Jesus estava tentando traze-la para o campo espiritual, mas ela não conseguia ver. Ela questiona o fato que o Mestre fala da água viva como algo que Ele podia fazer para ela. Ela acha impossível, afinal, fora Jacó que abrira aquele poço, e ninguém era maior que os patriarcas para os samaritanos. Abraão e Jacó eram figuras muito respeitadas por eles. A mulher então volta seu foco para coisas desta vida.
Muitas vezes isso ocorrer conosco. Quantos insistem em ir à igreja, mas não conseguem ver que salvação é o assunto principal da mensagem. Prendem-se apenas as questões materiais ou terreais, e não conseguem ver o que realmente está sendo ensinado.
Jesus estava mostrando para aquela mulher que a salvação que vem dos judeus é algo que deve ser aceito pela fé. Não é uma questão de onde se adora ou como se adora, mas é uma questão puramente de fé. O verso 23 é o cerne da argumentação de Cristo:
“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem.”

 A ideia de verdadeiros adoradores em espírito e em verdade implica na ação da fé no coração do ser humano. É uma atitude de fé e não de obras ou de criações humanas.

2.               A salvação ocorre quando se aceita a obra de Cristo (v. 26)

Aquela mulher aceita a argumentação de Jesus e mostra que sabia da promessa do Messias: “Eu sei que o Messias... vem; quando ele vier, nos anunciará tudo.”. Jesus então se revela em definitivo àquela mulher.
Muitos estão como aquela mulher. Reconhecem a verdade, mas não conseguem ver o que esta verdade realmente representa. Muitos estão nas igrejas ou frequentam a igreja, são chamados até de amigos do evangelho, mas não aceitam a obra de Cristo. Não reconhecem a Jesus como sendo aquele que devem seguir e adorar em suas vidas.
Talvez você mesmo seja alguém que reconhece que Jesus é a promessa de Deus, que reconhece o Jesus histórico, mas não consegue ver o Jesus Salvador e Senhor. Somente quando se aceita a obra de Cristo pode-se realmente dizer que aceitou a Jesus.
A obra de Cristo é muito mais do que milagres nesta vida. É mais do que revelações sobrenaturais como no caso desta conversa que analisamos. Aceitar obra de Cristo é o entendimento pleno de que Ele fez tudo que tinha que ser feito. Que Ele é a promessa de Deus para dar a vida eterna aos homens.
Quando Jesus se revela àquela mulher é exatamente isto que tentava dizer para ela. Hoje Jesus também quer nos falar. Hoje o Messias prometido também quer nos mostrar o que realmente ele fez por todos aqueles que aceitam a sua obra.

3.               A salvação exige renúncia (v. 28)

“...deixou seu cântaro”

Os discípulos de Jesus chegam neste momento. Eles ficam encantados ao ver o Mestre quebrando tantas barreiras e conversando com aquela mulher. A esta altura aquela mulher estava maravilhada e rendida aos pés de Jesus. Ela então deixa o seu cântaro e vai falar para todos na cidade.
Meu amado esta mulher nos dá uma lição que Jesus vai nos ensinar em muitos momentos dos evangelhos. Aquela mulher renunciou aquilo que naquele momento era a coisa mais importante de sua vida, o cântaro.
Era meio dia quando esta mulher fora buscar água. Era o suprimento para passar o dia e fazer seus afazeres de rotina do lar. Mas aquela mulher ao ser exposta à verdade celestial abre mão de tudo para poder seguir a Jesus.
Jesus hoje tem chamado você e eu para o seguirmos abrindo mão daquilo que mais nos importa na vida. Muitos afirmam que são cristãos mais não conseguem abrir mão de seu lazer, de sua cultura ao corpo, de sua diversão pessoal. Quantos escolhem o domingo para se divertir, para brincar, quando deveriam estar adorando ao Pai junto com outros irmãos. São muitos cântaros que nos prendem a esta vida. Talvez seja o cântaro do trabalho ocupando o lugar que deveria ser de Deus. Talvez seja o cântaro do esporte e do lazer que se julga necessário e não se abre espaço para Deus. Talvez seja o cântaro do estudos, onde por falta de aprender a remir o tempo, não se coloca um espaço para Deus na vida. Está na hora de largar o cântaro. Está na hora de compartilhar a salvação.

4.               A salvação precisa ser compartilhada (v. 29,30)

A alegria daquela mulher foi tão grande ao reconhecer Cristo como o Messias prometido que ela não se conteve e, além de largar o cântaro, anunciou para todos que o Messias já estava entre eles.
Ela não precisou de uma púlpito, de uma outra pessoa a falar por ela, não, ela só precisou anunciar com sua própria voz. Esta uma das grandes verdades da Palavra de Deus. Quando Deus chama o seu povo, chama para adorar e proclamar. Pedro nos diz que Deus nos “chamou das trevas para sua maravilhosa luz” para que anunciemos a sua grandeza (I Pe 2:9). Uma vez transformados por Cristo temos uma dívida impagável, e nada melhor do que anunciar a outras pessoas as maravilhas da graça de Deus.
Muitos estão na igreja apenas para receber. Nunca compartilham. Sempre têm uma desculpa. Deus não nos chamou para ficarmos sentados. Repare bem que aquela mulher partiu imediatamente. Pregar a Palavra não depende de curso especial, mas depende apenas de um encontro especial, o encontro com Jesus. Tenha agora este encontro e compartilhe com outros aquilo que Jesus fez por você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário