quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

A REALIDADE DO REINO DOS CÉUS

Mateus 4:12-17


12 Jesus, porém, ouvindo que João estava preso, voltou para a Galileia.
13 E, deixando Nazaré, foi habitar em Cafarnaum, cidade marítima, nos confins de Zebulom e Naftali,
14 para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías, que diz:
15 A terra de Zebulom e a terra de Naftali, junto ao caminho do mar, além do Jordão, a Galileia das nações,
16 o povo que estava assentado em trevas viu uma grande luz; e aos que estavam assentados na região e sombra da morte a luz raiou.
17 Desde então, começou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus.

Após a prisão de João, o Batista, Jesus volta para Galileia. O texto em questão ocorre simultaneamente com o pregado no sermão anterior. Apesar de alguns afirmarem que aqui começa o ministério de Jesus, particularmente creio que entre o versículo 11 e 12 há um hiato preenchido pelo evangelho de João nos capítulos 2 a 4.
Mateus não é tão detalhista quanto João e Lucas, mas traz mensagens de importância sem igual para nossas vidas.
Zebulom e Naftali, juntamente com Aser, colonizaram o norte de Israel. A profecia citada encontra-se em Isaías 9:1,2. Para que possamos entender o que Mateus quer nos transmitir precisamos compreender o contexto desta profecia.
É um dos textos mais claros em termos proféticos sobre a vinda do Messias. A parte mais famosa encontra-se nos versos 6 e 7, mas antes de chegar nestes versos vemos o que o profeta realmente deseja transmitir.
O contexto desta profecia encontra-se em Isaias a partir do capítulo 8. Deus aponta para o pecado de Israel e Judá e das consequências que isso envolvia. O verso 21 de Isaias 8 mostra que o povo, como consequência de seu pecado passa a viver dias negros de fome e dor. Israel é aconselhado pelo profeta a não aceitar a ideia de consultar mortos ou qualquer outra coisa que não fosse a Palavra de Deus (v. 19 e 20). Como consequência de sua desobediência entrariam em escuridão espiritual sendo oprimidos e passando até mesmo fome. É neste contexto que o evangelista narra a chegada de Jesus. O pecado leva o homem para a completa escuridão.
O verso final do capítulo 8 afirma:
“E, olhando para a terra, eis que haverá angústia e escuridão, e serão entenebrecidos com ânsias e arrastados para a escuridão.”

Este é o contexto que o texto deixa para que possamos entender o que significa o povo assentado em trevas. Essas trevas correspondem ao pecado e suas consequências. Este é o contexto do texto de Isaias. E Mateus está afirmando que a ida de Jesus cumpre exatamente esta profecia.
Feito isto, podemos analisar a mensagem dentro daquilo que o seu todo realmente está transmitindo.

1.               É uma realidade de luz (v. 16)

“o povo que estava assentado em trevas viu uma grande luz; e aos que estavam assentados na região e sombra da morte a luz raiou.”

De volta a Isaias, vemos que o povo havia se afastado dos propósitos de Deus. Tanto Israel, como Judá, estavam longe daquilo que Deus estabelecera. A vinda do Messias seria para restaurar este povo. Para dar uma nova esperança.
A luz aqui significa a ideia da salvação da alma. Por causa de nossos pecados estamos destituídos da glória de Deus (Rm 3:23). Por causa de nossas iniquidades não somos capazes de andar na luz. Jesus vem para que possamos encontrar esta luz.
A Bíblia afirma que ninguém consegue agradar a Deus, a não ser por intermédio de Cristo Jesus. Ninguém consegue se aproximar de Deus, a não ser através do sacrifício de Cristo na Cruz do Calvário.
O brilhar da luz envolve a chegada de Cristo em nossa vida. Aquela profecia de Isaías estava se cumprindo de uma forma literal, mas ainda há um cumprimento tipológico e simbólico que está ocorrendo. Jesus está chegando até hoje aos corações perdidos no pecado. Há ainda muitos corações que assim como aquele povo de Israel e Judá, se afastaram muito dos propósitos de Deus. Hoje Jesus pode entrar em seu coração. Há um hino no nosso Hinário para o Culto Cristão que diz:

Jesus quer entrar hoje em teu coração
E para sempre ficar,
Pois nada o impede de dar-te perdão
Quando o deixares entrar.

Já muitas vezes à porta esperou,
E agora ele volta a bater,
Querendo te dar salvação, paz e amor.
Queres a Cristo atender?

Se abrires a porta do teu coração
E o convidares a entrar,
Jesus te dará seu divino perdão
Para contigo habitar.

Quando Jesus passa a habitar no coração entramos em nova realidade de vida.

2.               É uma realidade de vida (v. 16)

“o povo que estava assentado em trevas viu uma grande luz; e aos que estavam assentados na região e sombra da morte a luz raiou.”

O raiar da luz compreende o nascer de uma nova vida. A palavra de Deus nos garante que aquele que está em Cristo é uma nova criatura (II Co 5:17). Paulo escrevendo aos Efésios afirma que Deus nos vivificou estando nós mortos em delitos e pecados (Ef 2:1). A ideia de Paulo se encaixa exatamente com a questão de Isaias que agora é levantada por Mateus.
Assim como aquele povo estava perdido em seus delitos e pecados, hoje o ser humano está perdido. Assim como aquele povo viu o raiar de uma luz que deu vida a eles, hoje, através de Jesus, Deus tem formado um povo todo especial, regenerando sua vida, e dando-lhe uma nova esperança.
Talvez meu amado ou amada você esteja preso aos seus pecados. Talvez você esteja sendo levado a caminhar para longe de Deus, assim como o seu povo no passado, mas agora, neste momento, uma luz de vida está brilhando para você. Jesus é esta luz de vida.

3.               É uma realidade com base no arrependimento (v. 17)

“Desde então, começou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus.”

Um dos problemas dos judeus com relação as profecias vetero-testamentárias era sua interpretação equivocada. Eles interpretavam textos como este de Isaias com sendo algo político-social. Criam em um Messias que viria para libertar o povo do cativeiro político que estavam inseridos. Com essa interpretação equivocada eles não conseguiam ver aquilo que Deus realmente estava querendo.
Hoje não é muito diferente. Muitos, quando se deparam com textos como este de Mateus, interpretam fora de seu contexto devido e não conseguem enxergar o que está por trás da luz e da vida prometida. Baseiam-se em textos como este para pregarem mensagens triunfalistas ou um evangelho puramente social. Mas o interessante e triste é que o próprio texto se explica. Repare que Mateus faz questão de afirmar: “Desde então, começou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos...”. Jesus não começou a fazer milagres e sinais para provar quem ele era, apesar que este era o motivo dos sinais, mas ele simplesmente deu continuidade aquilo que João havia começado. Da mesma forma que Deus esperava o arrependimento do povo nos cativeiros do Antigo Testamento, Jesus hoje aguarda o arrependimento do seu povo.
Meu amado ou amada, a realidade do reino de Deus não pode ocorrer em nossas vidas se não houver arrependimento pelos nossos pecados. João escrevendo a sua primeira a carta afirma que o arrependimento e confissão de nossos pecados é que nos leva a ser purificados. No mesmo contexto João nos mostra que se queremos andar na luz, como falamos no primeiro ponto, devemos nos arrepender e confessar os nossos pecados.
Aceite hoje Jesus em sua vida para que seus pecados sejam perdoados e sua vida restaurada diante de Deus. Mas não basta apenas saber que ele é o Salvador e aceitar isso, é preciso entender algo mais...

4.               É uma realidade baseada no senhorio (v. 17)

“Desde então, começou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus.”

A ideia de um reino compreende um governo soberano sobre seus súditos. Aceitar a Cristo é mais que um proclamação mística. É mais que uma declaração baseada em fatos históricos ou em milagres recebidos. Aceitar a Cristo envolve assumir um compromisso com Ele. É assumir a obra dEle como sendo a sua obra. É a aceitar a vida dEle como sendo a sua vida.  
Não existe salvação somente com uma aceitação intelectual. A expressão “é chegado o reino dos céus” transmite exatamente esta ideia. Jesus não veio apenas para salvar, mas ele veio também para reinar sobre o seu povo. Nós passamos a ser a geração eleita, o sacerdócio real e o povo de propriedade exclusiva de Deus.
Qualquer um que aceita a Jesus precisa aceitar também o seu senhorio em sua vida. Qualquer um que almeja o céu e a eternidade ao lado de Deus precisa viver debaixo do senhorio de Cristo.
Em Mateus 7:21 Jesus afirma que nem todo que diz “Senhor, Senhor” entrará no reino dos céus. Não é apenas dizer que Ele é Senhor, mas é viver este senhorio com avidez e desejo constante de agradá-lo.
Agora você tem a chance de tomar esta decisão diante de Deus. Aceitar a Cristo como Salvador, mas também como Senhor de sua vida. Caso já diga que fez, é necessário que viva isto e não apenas declare da boca para fora.


Nenhum comentário:

Postar um comentário