sábado, 1 de março de 2014

OUVINDO O CHAMADO DE DEUS

Lucas 5:1-11


1 E aconteceu que, apertando-o a multidão para ouvir a palavra de Deus, estava ele junto ao lago de Genesaré.
2 E viu estar dois barcos junto à praia do lago; e os pescadores, havendo descido deles, estavam lavando as redes.
3 E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão.
4 E, quando acabou de falar, disse a Simão: faze-te ao mar alto, e lançai as vossas redes para pescar.
5 E, respondendo Simão, disse-lhe: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos; mas, porque mandas, lançarei a rede.
6 E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.
7 E fizeram sinal aos companheiros que estavam no outro barco, para que os fossem ajudar. E foram e encheram ambos os barcos, de maneira tal que quase iam a pique.
8 E, vendo isso Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, ausenta-te de mim, por que sou um homem pecador.
9 Pois que o espanto se apoderara dele e de todos os que com ele estavam, por causa da pesca que haviam feito,
10 e, de igual modo, também de Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram companheiros de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas; de agora em diante, serás pescador de homens.
11 E, levando os barcos para terra, deixaram tudo e o seguiram.

São três textos paralelos (Lc 5:1-11; Mt 4:18-22; Mc 1:16-20). Não podemos considerar João 1:35-42. No texto joanino vemos o primeiro encontro de Pedro, Tiago e João com Jesus. Eles se tornam discípulos de Cristo como muitos outros se tornariam ao longo dos três anos de ministério de Cristo. O texto que agora analisamos, juntamente com seus paralelos, é a chamada de Cristo para o apostolado. Embora já tivesse profetizado que Pedro seria uma das colunas (Jo 1:42), agora começa a reunião daqueles que mais tarde seriam conhecidos como os 12 apóstolos.
Somente em Mateus 10:1-4; Marcos 3:13-19 e Lucas 6:12-16 é que Jesus vai consolidar este corpo apostólico, mas agora ele está iniciando, chamando e formando. Nos textos mais adiante falaremos sobre este chamado maravilhoso de Jesus.
É interessante notar que somente Lucas narra a pesca maravilhosa. Apesar de ser o mais intelectual de todos os escritores dos evangelhos, ele tem a preocupação de narrar o lado sobrenatural deste chamado de Cristo.
Alguns se apegam às narrativas de ângulos diferentes para dizerem que há contradições na Bíblia. Mas na realidade apenas o que ocorre que um foi mais detalhista do que o outro. Um se apegou a um detalhe, outro a outro, mas não há contradições nos textos em questão. Mateus e Marcos, por exemplo, narram momentos antes do sermão. Eles não entram no mérito do milagre, nem na volta ao mar. Jesus convida já Simão, André, Tiago e João. Eles correspondem ao chamado. Estavam consertando suas redes. Lucas narra que eles tinham trabalhado a noite toda, logo, precisavam consertar aquilo que se estragara. O convite de Lucas então é uma ratificação daquilo que fora feito antes. Mateus e Marcos então resumem o fato, enquanto que Lucas é mais detalhista. Não há contradição, mas complementação.
 Podemos aprender muitas lições neste texto, mas quero me prender ao foco do chamado dos primeiros apóstolos.

1.               O chamado de Deus começa com a exposição das escrituras (v. 1, 3)

“E aconteceu que, apertando-o a multidão para ouvir a palavra de Deus, estava ele junto ao lago de Genesaré.”
“E, entrando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra; e, assentando-se, ensinava do barco a multidão.”

Paulo deixa isto muito claro quando afirma que “a fé vem pelo ouvir, e o ouvir da Palavra de Cristo” (Rm 10:17). Não é um ouvir qualquer. É ouvir realmente aquilo que Deus quer dizer ao seu coração. Mas, infelizmente, o próprio Jesus vai mostrar mais adiante que muitos que ali estavam, estavam apenas por interesses materiais e terrenos.
Muitos hoje estão procurando igrejas, mas não para ouvir a Palavra de Deus. Procura-se igreja para participar do “louvor”; para receber bênçãos; para receber conforto; entre tantas outras coisas, mas poucos realmente procuram para ouvir a Palavra de Deus. As igrejas que mais enchem, com raras exceções, são aquelas que tem algo para oferecer no sentido sócio-econômico-cultural. Conheço pessoas que avaliam se a igreja serve para elas se oferecem estrutura para casais, para filhos, ar-condicionado, mas, na maioria das vezes, a Palavra nem se quer é levada em conta. Pessoas que procuram igrejas por causa de seu gosto pessoal, e muitas vezes confundem gosto com doutrina.
No meio daquela multidão que seguia a Jesus havia muitos que realmente queriam ouvir a Palavra de Deus. Espero que você esteja aqui para ficar diante da Palavra de Deus.

2.               O chamado de Deus envolve disposição de obedecer (v. 4-7)


Pedro era um pescador experiente. Ele sabia que Jesus era apenas um carpinteiro. Mas ainda assim obedeceu. Ele podia questionar Jesus, mas a Bíblia nos mostra que ele obedeceu, embora a princípio tenha relutado.
Quando alguém decide por seguir a Jesus precisa estar disposto a obedecer. Seguir a Cristo não é viver dentro dos nossos padrões, antes, é viver dentro dos padrões que Ele e sua Palavra determinam para nós.
Jesus mesmo nos dá exemplo disso quando afirma: “A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra”. Em outras palavras, Jesus está afirmando que o principal objetivo dele é obedecer as ordens de Deus. Isto implica em saber que Deus é Senhor de nossas vidas. Há muitas pessoas que afirmam ser cristãs, mas não aceitam que precisam obedecer a Palavra de Deus e até mesmo a acham ultrapassada. São pessoas que realmente não aceitaram o senhorio de Cristo.
Jesus nos ensina:
“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.”

Repare bem que Jesus está afirmando que o cristianismo não é baseado em clamor sem obediência; de louvor, sem santificação e servidão. Só tem parte no reino aquele que está disposto a obedecer. Mas antes disso é preciso outra coisa...

3.               Ouve-se o chamado de Deus quando reconhece a situação diante dEle (v. 8)

“E, vendo isso Simão Pedro, prostrou-se aos pés de Jesus, dizendo: Senhor, ausenta-te de mim, por que sou um homem pecador.”

Eis uma parte do verdadeiro evangelho que muitos não gostam. Constantemente alguém me critica por enfatizar tanto isto. O problema que é a Bíblia que fala que não passamos de pecadores diante de Deus (Rm 3:23; Sl 14:1,2).
Quando João, o Batista, começa a pregar ele inicia dizendo: “Arrependei-vos...”. Quando Jesus assume a pregação no lugar de João a sua palavra inicial é a mesma. Isto significa que o homem precisa realmente reconhecer sua situação diante de Deus para que possa iniciar o processo que culminará com a salvação. Sem arrependimento, não existe conversão. Isto quer dizer que se você nunca reconheceu a sua situação diante de Deus, mas fez uma oração que afirma aceitar a Jesus, tal oração não passa de uma falácia espiritual. Jesus de fato nunca entrou no seu coração.
Pedro, quando viu que Jesus de fato era o Messias prometido, viu sua situação diante de um Deus santo. Foi exatamente esta situação que Isaias reconheceu quando estava diante do trono de Deus e viu a sua santidade:
“... ai de mim, que vou perecendo! Porque eu sou um homem de lábios impuros e habito no meio de um povo de impuros lábios; e os meus olhos viram o rei, o Senhor dos Exércitos!” (Is 6:5)

Ninguém que deseja se aproximar de Deus o faz sem consciência de sua imundícia, de sua pecaminosidade. Meu amado ou amada, este é o passo inicial e primordial para se tornar um verdadeiro cristão. Logo em seguida vem o próximo...

4.               Ouve-se o chamado de Deus quando há disposição de renunciar (v. 11)

“E, levando os barcos para terra, deixaram tudo e o seguiram.”

Mateus e Marcos narram que eles deixaram até mesmo seu pai, referindo-se a Tiago e João. Que coisa tremenda! É o oposto que se prega nos dias de hoje. Prega-se o evangelho do apego a esta vida. Da busca por um Cristo que resolve seus problemas de doença e de crises existenciais.
Hoje se crê que se pode ser cristão sem largar o pecado, sem largar o mundo. Quantos afirmam ser cristãos, mas continuam levando suas vidas de pecado e de iniquidade como se nada tivesse acontecendo. Há pouco tempo uma jovem, que se diz membro de uma denominação muito séria, saiu estampada na capa de uma revista masculina. Ela não vê nada demais e ainda acha que está fazendo arte. Creio que aquela jovem nunca aprendeu o que é lascívia e que a Bíblia condena sua atitude. Pior do que isto, creio que aquela jovem não aprendeu o que é renúncia.
Não posso julgar a salvação de ninguém, mas precisamos acordar para um cristianismo autêntico, onde o reino realmente esteja em primeiro lugar.
Talvez você esteja nesta situação. Talvez você até afirme ser cristão, mas ainda não renunciou aquele esporte de domingo, aquela balada com os amigos, aquele sexo sem compromisso e tantas outras coisas que a Palavra de Deus condena e nos pede para renunciar. Aceitar a Cristo de verdade envolve renunciar as paixões. É isto que significa ser alcançado pela graça de acordo com Paulo (Tt 2:11,12).


Nenhum comentário:

Postar um comentário