segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

O CAMINHO DA JUSTIÇA DE DEUS

Romanos 9:30-33

Vimos no último sermão que a soberana vontade de Deus salva o homem como Ele bem entender. Ninguém consegue ser salvo da perdição da forma que deseja ser, ou seja, através de seus méritos próprios. Os judeus pensavam que podiam, assim como hoje muitos também pensam. O fato é que a graça de Deus é livre para salvar o homem da forma que o Senhor escolher, e Ele escolheu nos salvar pela loucura da cruz. Não há nada de lógico e racional, pelo menos aos nossos olhos.
Através desta salvação operada pela soberana vontade de Deus, vemos o agir da justiça de Deus. Paulo deixou claro nos capítulos iniciais que nós não temos justiça alguma, e que, se não fôssemos justificados, jamais alcançaríamos a redenção de Deus.
O que o apóstolo dos gentios vai fazer agora é traçar o caminho desta justiça. Na realidade é o resumo daquilo que ele já mostrou em capítulos anteriores, mas o foco de Paulo é mostrar aos judeus que, o fato da salvação ser uma ação da soberana vontade do Senhor, como ele afirmou nos versículos anteriores, não elimina a responsabilidade humana. Os dois aspectos andam juntos, e é mais um motivo para nos calarmos diante deste maravilhoso mistério de Deus.