segunda-feira, 10 de setembro de 2012

A ETERNA ALIANÇA DE DEUS COM SEU POVO



Oséias 1:1-12


Estamos iniciando uma série de mensagens no livro de Oséias. Foi e tem sido um grande desafio preparar este material, mas espero em Deus poder expor com clareza e poder a Palavra do Senhor.
O profeta Oséias profetiza por um período longo. Logo no início de seu livro se percebe isto quando fala de vários reis. É interessante notar que o rei que ele cita de Israel é somente Jeroboão II. Não quer dizer que ele profetizou somente neste reinado, mas é possível que depois de um tempo ele já estivesse em Judá, o reino do sul.
Nosso profeta é contemporâneo em sua juventude de Amós. Este profetiza com autoridade contra o pecado dos líderes e do próprio povo. Em sua velhice Oséias foi contemporâneo de Isaías e Miquéias. Estes são profetas messiânicos que profetizam contra a nação de Judá principalmente. É tremendo notar que Oséias mescla tanto a ideia de Amós quanto as de Isaías e Miquéias.
Oséias concentra sua pregação no reino do Norte, Israel, mas não deixa de dar algumas pinceladas em Judá.
Oséias significa “salvação”. Reflete o caráter de Deus e de sua mensagem. Durante todo seu livro vemos a mão de Deus na proteção e direção de seu povo, que por sua vez desvia-se do caminho do Senhor através do adultério do culto a Deus e de suas vidas longe da vontade do Senhor.
Sob o reinado de Jeroboão II Israel conheceu seu apogeu político, mas foi também sob seu reinado que teve início a grande decadência. Valendo lembrar que em nenhum momento Israel conheceu um apogeu espiritual desde sua separação do reino do sul, Judá.
Uma explicação vale ser dada para que não haja confusão. Apesar do grande número de reis que aparecem nas profecias de Oséias, não quer dizer que ele profetizou por quase cem anos. Muitos destes reis fizeram corregências com seus filhos, como foi o caso de Jotão com Uzias, e este com Acaz.

CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DOS CRISTÃOS


Romanos 16:1-16


Encerrada a parte ministerial de sua saudação, Paulo passa a se despedir de determinadas pessoas. Creio firmemente que isto prova que Pedro não foi o fundador da igreja Romana. Segundo os defensores desta linha, Pedro estaria liderando a igreja exatamente no período que Paulo escreve esta carta. Se realmente Pedro estivesse lá é no mínimo estranho Paulo não cumprimentá-lo, uma vez que Paulo o considerava uma das colunas da Igreja (Gl 2:9).
Da forma que Paulo escreve parece ficar claro que Febe foi a portadora de sua carta e que a igreja deveria recebê-la com amor. Até o verso 16 Paulo saúda alguns irmãos que àquela altura estavam em Roma. Do verso 21 ao 23 ele permite que seu amanuense, Tércio, saúde os romanos com sua própria escrita e insira os nomes daqueles que estavam com eles.
Ao saudar os crentes de Roma Paulo destaca algumas características que são básicas para um verdadeiro Cristão.