segunda-feira, 11 de março de 2013

O CAMINHO PARA A ADORAÇÃO



Mateus 2:1-12

1 E, tendo nascido Jesus em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do Oriente a Jerusalém,
2 e perguntaram: Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos a adorá-lo.
3 E o rei Herodes, ouvindo isso, perturbou-se, e toda a Jerusalém, com ele.
4 E, congregados todos os príncipes dos sacerdotes e os escribas do povo, perguntou-lhes onde havia de nascer o Cristo.
5 E eles lhe disseram: Em Belém da Judeia, porque assim está escrito pelo profeta:
6 E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as capitais de Judá, porque de ti sairá o Guia que há de apascentar o meu povo de Israel.
7 Então, Herodes, chamando secretamente os magos, inquiriu exatamente deles acerca do tempo em que a estrela lhes aparecera.
8 E, enviando-os a Belém, disse: Ide, e perguntai diligentemente pelo menino, e, quando o achardes, participai-mo, para que também eu vá e o adore.
9 E, tendo eles ouvido o rei, partiram; e eis que a estrela que tinham visto no Oriente ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino.
10 E, vendo eles a estrela, alegraram-se muito com grande júbilo.
11 E, entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, lhe ofertaram dádivas: ouro, incenso e mirra.
12 E, sendo por divina revelação avisados em sonhos para que não voltassem para junto de Herodes, partiram para a sua terra por outro caminho.


Os magos reconhecem a importância de Jesus, pois levam presentes de valor para o Messias. Era normal a entrega de presentes quando uma autoridade importante visitava outra que julgava ser tão ou mais importante.
Esta visita cumpre uma das profecias de Isaías:
“E as nações caminharão à tua luz, e os reis, ao resplendor que te nasceu.” (Is 60:3)


Não dá para saber o que significa ao certo oriente. Tanto pode ser que eles estavam vindo da terra dos caldeus, como da Arábia. A expressão “magos” parece ligá-los mais aos caldeus, pois estes chamavam de magos homens sábios, mestres, sacerdotes, médicos, astrólogos, etc. Outro problema que a expressão “oriente” não se encaixa na posição da Arábia em relação a Israel. Creio que isto não importa. O que importa é que é uma jornada longa e difícil.